domingo, 4 de dezembro de 2016

Mais um carro roubado ao lado da subestação de energia elétrica em Rio Bonito

Flávio Azevedo
Foi furtado na manhã desse domingo (04/12), no Centro de Rio Bonito, entre 8h e 9h30min, o Fiat, modelo Strada Working*, do comerciante Moayr Schueler. O veículo estava estacionado próximo à Igreja Católica Auxiliar (Av. Sete Maio), ao lado da subestação de energia elétrica, onde têm acontecido outros furtos. O carro é da cor cinza e placa LRG – 2368 (Rio Bonito). 

Eu iria fazer a minha tradicional pergunta “se o sistema de monitoramento prometido na campanha de 2012 não registrou a ação dos marginais”. Todavia, o Registro de Ocorrência, feito na 119ª DP, informa que “não há câmeras no local e não há testemunhas”. 

Dias atrás o utilitário do vereador, Marcinho Bocão; foi furtado em frente à sua casa, no Ipê. Hoje, roubaram um veículo de igual modelo do comerciante Moayr. Essa semana alguém me disse que os carros, modelo “utilitário”, estão sendo furtados e levados para a Região dos Lagos onde são transformados em barcos (SIC). Eu não sei a veracidade dessa informação, mas fico me perguntando, será que o serviço de investigação da Polícia não sabe dessa história? E se sabe, por que não investigar? 

Acrescento aqui, que o juiz Sérgio Moro está prendendo os maiores vagabundos do Brasil, porque começou investigar, no Paraná, um lava jato mixuruca. Mas eu esqueço que o juiz Moro é um ponto fora da curva!

*A imagem do veículo é ilustrativa 

Animais soltos em Rio Bonito preocupam a população, mas autoridades não estão "nem aí"

Flávio Azevedo
Chega do bairro Via Parque, antigo Rio dos Índios, a imagem de um animal morto na localidade e a notícia de que várias pessoas estão adquirindo cavalos e bois vendidos em leilões de animais apreendidos ao longo da BR – 101, mas que não tem onde colocar e muito menos tratar da saúde do animal. O “pseudofazendeiro” compra os bichos e como não tem como criá-los os deixa pastando na localidade. Outro ponto importante dessa história é que a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e a Vigilância Sanitária, já foram diversas vezes alertadas para essa questão e nenhuma providência foi tomada, ou seja, ignora-se totalmente os protocolos de vacinação que pode resultar em sérios prejuízos ao mercado pecuário da Região.

Entre os prejuízos causados pelos animais soltos está a destruição da mata ciliar do rio que corta o bairro Via Parque, onde segundo as nossas fontes, um curral trata especificamente do abate de bovinos sem nenhum cuidado sanitário, isso sem falar nas especulações de que os animais abatidos estão doentes. Todavia, a carne é levada para açougues de Rio Bonito e Região para o consumo de seus fregueses, sem qualquer inspeção e/ou preocupação de quem consome, porque o importante é pagar mais barato. Aliás, estou surpreso com o fato de deixarem esse animal da foto morrer de morte natural.
Moradores da localidade esperam a atuação da Vigilância Sanitária, mas como eu sou macaco velho, a minha expetativa é que pelo menos uma vez o governo faça valer a sua prerrogativa, “deixa o fiscal trabalhar”, exerça a sua função de proteger os interesses da coletividade e não se renda aos pedidos inescrupulosos de “amigos queridos” que pedem para ajeitar a vida de “um” em detrimento do prejuízo da Saúde de muitos. Vergonha na cara, a gente não vê por aqui! 

Sarau e Leilão beneficente em prol do Hospital Regional Darcy Vargas

Flávio Azevedo
Um sarau com um leilão para arrecadar recursos para o Hospital Regional Darcy Vargas (HRDV) movimentou a noite desse sábado (03/12), em Rio Bonito. O evento, realizado no salão social da Maçonaria, atraiu centenas de pessoas. Considerado nos anos 90, o terceiro melhor hospital do interior do Estado do Rio de Janeiro, o HRDV, hoje, atravessa mais um momento de turbulência. Fundado há 72 anos, a instituição é um dos orgulhos do povo riobonitense, que fica preocupado quando vê a unidade inspirando cuidados e, às vezes, precisando de uma “laparatomia exploradora” (cirurgia abdominal que procura a razão para sintomas como hemorragias, choques, dores abdominais não esclarecidas etc.). Dez quadros foram leiloados.

Com o objetivo de amenizar os problemas enfrentados pela instituição, um grupo de mulheres riobonitenses, capitaneadas pela poetisa e escritora, Maria do Carmo Soares Cordeiro (Carminha), de maneira voluntária decidiu contribuir. Elas resolveram adotar o setor de Pediatria, que precisa de mobiliários, colchões, entre outras coisas. Terminado o evento, Carminha conversou com a nossa reportagem.
– O Hospital é patrimônio nosso e não podemos deixar, nem supor, que alguma coisa possa acontecer e afetar o andamento do hospital. O que há de mais certo em nossas vidas é que um dia iremos precisar dele e não só os riobonitenses, mas todos os municípios próximos. Ao ver o Darcy Vargas precisando de cooperação, a solidariedade nesses momentos se faz necessária – destaca D. Carminha, afirmando que o grande objetivo é amenizar os problemas que o HRDV enfrenta.

Canta no evento o Coral Santa Cecília.
Com o seu olhar voltado para a Cultura, Carminha, que também e acadêmica da Academia Fluminense de Letras, aproveitou o momento para incluir e estimular a Cultura local. Artistas já consagrados, como Reinaldo Silva; e grupos como o Coral Santa Cecília; e o Grupo de Serenata Lua Branca; participaram. O sarau também contou com a participação de jovens talentos como Léo Machado e Bruna Melo; e músicos experientes como Edmar e Janira Amaral. As poesias ficaram ao encargo de Ricardo Hoffman, Sônia Solano e Virgínia Borges. Sobre os participantes, Carminha explica como se deu a seleção.
– É interessante: você coloca “o hospital necessita” e na mesma hora contamos com a adesão das pessoas querendo contribuir. Tanto a criança quanto os mais velhos. Falou-se em hospital e a necessidade da gente chegar junto, eles comparecem e atendem antes de formalizarmos o convite – explicou Carminha, para quem o hospital precisa ser olhado de forma positiva.

Edmar canta e ganha muitos aplausos
Diante dos problemas enfrentados nos últimos anos pela entidade, Carminha faz algumas ponderações no sentido de que é preciso contribuir e acreditar na instituição.
– Têm problemas? Têm, mas eles estão sendo resolvidos ou estão procurando resolver. Isso que acontece, hoje, é consequência de alguma coisa que aconteceu mais lá para trás, mas nada é irreversível! Você pode ouvir pessoas com opiniões distintas, diferentes da sua, mas você não pode julgar que só aquela opinião está certa e nós precisamos procurar saber, buscar ajudar... Eu acho que o hospital está saindo de uma fase difícil, mas os setores estão funcionando e as coisas irão se acertar – discorreu Carminha, acrescentando que “nós precisamos ter paciência, a diretoria está trabalhando, nós estamos tentando ajudar e precisamos todos ter esse olhar positivo”.

Questionada sobre como surgiu o grupo de mulheres que se juntou para contribuir com o HRDV, Carminha explica que tudo aconteceu de maneira muito rápida e explica que “não foi eu que consegui fazer, porque já estava determinado lá em cima”. Segundo ela, depois da última assembleia de associados do HRDV, “eu saí de lá e me cobrei (o que eu estou fazendo?)”. Carminha explica que procurou o presidente do hospital e se apresentou para ajudar no que fosse preciso.
– Nesse mesmo dia eu recebi um telefonema de Eneida Machado. Ela me disse, “Carminha o hospital passa por dificuldades e eu queria te convidar”, antes dela terminar eu disse “vamos”. No dia seguinte conversando com Terezinha Castro, eu fiz o convite e ela prontamente aceitou. Chegou Suely de Paula, com quem eu trabalho no Grupo Rio Bonito Por Amor. Aproximou-se Ana Carmem Fonseca. Chamamos Sônia Lopes, Shirley Melo compareceu, Cléia Moreira, também; e formamos um grupo de pessoas com muita disposição para trabalhar – contou Carminha.

Sonia Solano e uma poesia
Entre os anos de 1930 e 1960, várias entidades assistenciais e agremiações esportivas foram criadas em Rio Bonito, entre elas o Hospital Darcy Vargas. Os tempos eram outros, mas as dificuldades sempre estiveram presentes. Os comerciantes e empresários daquele tempo também enfrentavam crises e dificuldades. A sociedade daquele período, porém, parecia ser mais abnegada, mais ligada às causas assistenciais e a benemerência. Questionada sobre o que mudou daquele período para os dias atuais, Carminha explica que o momento era outro, a sociedade era outra, Rio Bonito era menor e o sentimento de preservação era maior.
– Hoje, nada gira entorno da cidade e todo mundo sai. Acho que não é impossível recuperarmos essa marca e a prova disso foi o evento dessa noite, quando reunimos cerca de 200 pessoas nesse salão e elas estavam voltadas aos problemas do hospital. Eu tento trazer os mais jovens, vimos aí os músicos novos que participaram, trazemos os nossos netos e precisamos manter esse incentivo e o olhar positivo para o HRDV – concluiu Carminha.

sábado, 3 de dezembro de 2016

Dona Ilaídes agradece e deixa uma lição para nós

Flávio Azevedo
Mãe do Goleiro Danilo da Chapecoense abraça e consola repórter do Sportv.
De tudo que acompanhei da tragédia que vitimou atletas e dirigentes da Chapecoense e colegas da imprensa, esse foi o momento que mais me emocionou. Durante o programa Seleção SporTV, nessa sexta-feira (02/12), em entrevista ao repórter, Guido Nunes; Dona Ilaídes, mãe do goleiro, Danilo (o herói da semifinal); depois de responder as perguntas do repórter pede para fazer uma pergunta ao jornalista, pede para lhe dar um abraço e agradece o trabalho da imprensa.

Abraçada ao repórter, ela fala algumas verdades que poucas vezes é dita aos profissionais de imprensa.
– Posso ter dar um abraço, em nome da imprensa? Todos da imprensa que perderam seus amigos, que perderam aquelas pessoas que estavam lá narrando, levando alegria... Foram vocês que fizeram a carreira desses meninos, não só dou meu filho, foram vocês, entendeu? – disse D. Ilaídes, demonstrando uma força admirável.
A atitude dessa mãe chama a minha atenção, porque é comum o jornalista ser chamado para participar de inúmeras furadas. Depois do caso passado, raramente se ouve um “muito obrigado”! Como profissional de Comunicação, eu me senti abraçado por D. Ilaídes. 

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Prefeito Anderson Alexandre recebe Título de Cidadão Riobonitense

Flávio Azevedo
O prefeito de Silva Jardim, Anderson Alexandre (PMDB), recebeu nessa quinta-feira (01/12), durante sessão Legislativa de Rio Bonito, o Título de Cidadão Riobonitense. A iniciativa foi do vereador, Marcos Fernando da Fonseca, o Marquinhos Luanda (PMDB). A honraria seria entregue no último mês de maio, na Sessão Solene do Legislativo, mas o prefeito silvajardinense não pode estar presente por causa dos seus compromissos na sua cidade, uma vez que os eventos que celebram a emancipação de Rio Bonito e Silva Jardim acontecem na mesma ocasião, sete e oito de maio, respectivamente.

Acompanhado de parte do seu staff, secretários, colaboradores e integrantes de vários veículos de comunicação das Baixadas Litorâneas, o prefeito se disse emocionado com a homenagem, destacou que mora em Rio Bonito desde 2003, frisou que sua empresa, a Drogarias Alexandre, gera 70 empregos na cidade; disse que os seus filhos cresceram e estudaram nas escolas de Rio Bonito; e revelou que já se sentia cidadão riobonitense, “agora, porém, com esse Título, eu me considero ainda mais riobonitense”.

O prefeito discorreu um pouco sobre os seus negócios, agradeceu nominalmente cada vereador de Rio Bonito pela homenagem que recebeu, cumprimentou os integrantes do seu staff que prestigiaram a solenidade e fez algumas ponderações sobre as perspectivas futuras para Rio Bonito. Convicto de que o próximo chefe do Executivo, em Rio Bonito, será o ex-prefeito, José Luiz Antunes, o Mandiocão (PP), o prefeito Anderson Alexandre desejou sorte ao próximo mandatário, disse que Mandiocão precisa saber lidar com a Câmara de Vereadores; e ponderou que a vereadora, Rita de Cássia (PP), que tem experiência Legislativa, deveria ser a principal interlocutora de Mandiocão com a Câmara.
– É preciso dialogar com o Legislativo. Em Silva Jardim já discutimos os projetos com os vereadores antes de enviar a Casa. Caso exista a percepção de que o projeto não será aceito, nós sequer mandamos para o Legislativo – ressaltou Alexandre, acrescentando que 2017 será um ano de dificuldades, que os prefeitos terão problemas para gerencias os municípios e o segredo do sucesso é a união de todos.

Avanços da gestão
O prefeito Anderson Alexandre também comentou os avanços da sua gestão nas áreas, da Saúde, Educação e Turismo. Destacou o investimento no transporte gratuito para a população silvajardinense e frisou que a iniciativa ajudou alavancar a economia local, “porque as pessoas passaram a comprar no comércio de Silva Jardim”.
– Os comerciantes de Rio Bonito ficaram chateados comigo, mas a minha cidade teve muitos ganhos. Três meses depois que implantamos o serviço de transporte gratuito, com ônibus confortáveis e climatizados, a equipe econômica da Prefeitura de Silva Jardim calculou os custos e percebeu um aumento considerável no consumo no comércio local. O ganho foi tão significativo, que o aumento dos impostos com o aquecimento da economia local fez valer à pena o serviço seguir de forma gratuita. Isso é gestão – revelou o prefeito.

Sobre a Saúde de Silva Jardim, comandada pela enfermeira Tereza Fernandes, que é de Rio Bonito, o prefeito Anderson Alexandre, ressaltou o trabalho de excelência desenvolvido por ela e sua equipe; destacou que Silva Jardim está atendendo várias pessoas de Rio Bonito; e afirma que tem ocorrido um caminho inverso do que sempre aconteceu, “porque a população silvajardinense dependia muito da Saúde de Rio Bonito, que sempre foi de excelência”. Ele acrescenta que “com prazer retribui ao riobonitense, o bom atendimento que o silvajardinense sempre teve nas unidades de Saúde de Rio Bonito” e revelou que a secretária de Saúde, Tereza Fernandes, está sendo “flertada” pelo grupo do ex-prefeito Mandiocão, “mas vai ser difícil tirar ela da minha equipe”, descontraiu o prefeito.

Em 2013, a Educação de Silva Jardim, entre os 92 municípios do Estado do Rio de Janeiro, ocupava a 89ª colocação na escala do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). Hoje, segundo o chefe do Executivo silvajardinense, o município ocupa a 55ª colocação.
– Engana-se quem acha que estamos satisfeitos com essa posição. É nosso desejo subir ainda mais na escala do Ideb e nos próximos quatro anos iremos trabalhar para que o município figure em posição ainda melhor. Esse primeiro ano foi para arrumar a casa, colocar o trem nos trilhos e, agora, com tudo funcionando do nosso jeito, apesar do momento de crise, sabemos que 2017 não será um ano fácil, mas nós estamos acreditando no crescimento em Silva Jardim – disse o prefeito.

Comando do Hospital Darcy Vargas segue pressionado por colaboradores e funcionários da unidade

Flávio Azevedo
O Hospital Regional Darcy Vargas sempre foi referência de Saúde na Região, hoje, vive situação falimentar.
Sobre o HOSPITAL REGIONAL DARCY VARGAS, nós seguimos recebendo informações que nos entristece. Nessa quinta-feira (1º/12), cinco funcionários foram demitidos, todos do corpo atuante da casa, como técnicos de enfermagem. Hoje, segundo a nossa fonte, mais gente será demitida, alguns com considerável tempo de casa. Surge então uma pergunta: se existe uma crise financeira, como pagarão a rescisão desses demitidos? Darão calote?

Outra informação que chega da unidade é de que no setor administrativo não existe demissão, "pelo contrário, novas contratações, inclusive, de pessoas da confiança do presidente, José de Aguiar Borges, o Kaki, estão acontecendo". A nossa fonte lembra algo curioso: "anteriormente, o presidente criticava abertamente as contratações em excesso feitas pela gestão que o antecedeu e, agora, repete o gesto".

Outra fonte nos revela que "o hospital vive um momento muito delicado, diz que a população e parte dos associados não tem noção do que realmente está acontecendo na unidade, acrescenta que a possibilidade de fechamento do hospital é real, "porque o cenário é de falência".

A última notícia é que de que parte da gestão da unidade e o comando da Prefeitura estão se protegendo. "A Prefeitura alega não ter dinheiro, a direção do HRDV se conforma com essa resposta e não vemos eles buscando iniciativa para resolver o problema". A nossa fonte acrescenta que "já não sabemos o que fazer ou como pressionar a Prefeitura, que nitidamente está sendo protegida pelo presidente do HRDV, que também está sendo blindado".

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

ABORTO

Flávio Azevedo
Entre as sociedades do planeta, talvez a mais hipócrita seja a brasileira. Por aqui, a lógica da “causa e efeito” domina as discussões e o esforço é sempre atacar os “efeitos” e nunca as “causas”. A descriminalização do aborto – a pauta do momento – está no mesmo patamar das discussões de “redução da idade penal”, do que fazer para acabar com a “corrupção política”, da “liberação das drogas”; e nunca se consegue chegar a lugar algum, porque os intermináveis debates visam os “efeitos” e não as “causas”. Parece aquele doente que está com dores de cabeça e segue tomando Aspirina, quando deveria investigar as razões da sua dor de cabeça. Mas a Aspirina é melhor, porque ela menos traumática e não exige mudança de hábitos. 

Pensando nessa lógica da “causa e efeito” vale destacar que o desejo de abortar é fruto de uma GRAVIDEZ INDESEJADA, o que cabe a pergunta: porque alguém rejeita uma gravidez? É nesse momento que a conversa ganha um caminho que ninguém quer percorrer, porque terá que falar das “causas” e não dos “efeitos”. A gravidez é um dos resultados do sexo irresponsável e do mau uso do pênis e da vagina, que também pode ter como “efeito’ ser contaminado com uma doença sexualmente transmissível. A gravidez é sem dúvidas o "efeito" mais salutar de uma “foda mal dada”, porque a pessoa poderia contrair uma Aids, por exemplo.

Os amores de carnaval, a transa irresponsável, as trepadas fortuitas, tudo isso regado a muita bebida alcóolica e drogas em geral resulta na gravidez indesejada. A menina se descobre grávida de um sujeito que ela nunca viu na vida (isso quando ela consegue se lembrar do cara!). O jovem percebe que a mãe do seu filho é alguém que ele não conhece. Quando a sobriedade chega, ambos percebem que “de cara limpa” nunca teriam mantido uma relação sexual. O problema é que a mente anestesiada por substâncias que impedem a reflexão e estimulam a irresponsabilidade, não permitiu a análise do que estavam fazendo.

No meu entendimento, o aborto é um dos “efeitos” de várias causas que precisam ser pensadas e atacadas pela sociedade, mas a hipocrisia fala mais alto, porque queremos apenas tomar Aspirina, uma vez que ninguém deseja abrir mão das causas que provocam uma gravidez indesejada. Eu, sinceramente, fico estupefato quando vejo congressistas e ministros da suprema corte perdendo tempo e energia debatendo “efeitos”, quando deveriam provocar diálogos e reflexões sobre as “causas” que giram ao entorno do tema aborto.

As mídias sociais, ferramenta importante, sobretudo quando se deseja mensurar o nível de Educação da sociedade, mostra que o debate raso e focado nos “efeitos” é uma marca do brasileiro ao discutir temas relevantes. É curioso e triste perceber que temas tão importantes ganham ares de FlaxFlu. No Brasil, as questões polêmicas, por uma série de razões, que vão da falta de instrução ao oportunismo, acabam se tornando papos de porta de botequim. Não me interessa se você é contrário ou favorável ao aborto, o que me interessa é refletir sobre as "causas desse e outros temas de igual relevância.

quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Diretores da creche N. Srª da Conceição garantem que unidade não vai fechar

Flávio Azevedo
O Vereador Aissar Elias é conselheiro da Creche Nossa Senhora da Conceição.
O Programa Flávio Azevedo dessa quarta-feira (30/11), entre outros assuntos, trata da Creche Nossa Senhora da Conceição, na Caixa D'Água, em Rio Bonito. A unidade está envolvida numa boataria que anuncia o seu fechamento, o que "não é verdade", segundo os representantes da entidade, Aissar Elias e Luiz Antônio Vieira; que participam, agora, do programa. 

O Advogado Luiz Antônio Vieira
é tesoureiro da creche.
Segundo os nossos convidados, a unidade, que completou 33 anos de atividades initerruptas nesse ano (2016), atende 158 crianças, emprega 19 funcionários e não será fechada.
– O que acontecerá é uma readequação, atenderemos exclusivamente crianças com idade de creche (06 meses a 3anos e 11 meses) e essas transformações não estão sendo bem compreendidas por parte da sociedade e usuários da creche – comenta o vereador Aissar Elias, que é diretor do Conselho da unidade.


Carta aberta à população os médicos do Hospital Darcy Vargas deixa população apreensiva

Flávio Azevedo
Nessa terça-feira (29/11), os médicos que atuam no Hospital Regional Darcy Vargas (HRDV) divulgaram uma “Carta Aberta” à população e aos usuários da unidade explicando as razões para a paralisação que farão a partir de amanhã (01/12). Segundo as nossas fontes, a categoria ainda não recebeu os salários referentes ao mês de outubro, não tem perspectiva de receber os próximos meses e também o 13º salário. Na última sexta-feira (25/11), numa reunião entre os médicos, a prefeita Solange Almeida e integrantes da diretoria do HRDV, a prefeita explicou que não tem dinheiro para mandar para o hospital e, por isso, a unidade não tem como pagar os salários.

Veja o conteúdo da “Carta Aberta”:

Por favor, não nos julguem! Não somos deuses, muito menos mercenários! Somos vítimas desses governos corruptos tanto quanto vocês. Também somos cidadãos comuns, que precisam levar o pão para casa. Nossos filhos e familiares cobram nossa ausência, pois precisamos trabalhar cada vez mais, já que nossos salários estão defasados há vários anos.

 Deixamos nossos amores em casa, para cuidar dos seus amores e só Deus sabe o que precisamos fazer para não entrar em desespero na ânsia de ajudar o próximo. Há dias que não temos luvas, nem analgésicos, muitos menos recursos específicos para cuidados avançados dos pacientes. A gente se vira com o que tem e não é incomum nos ver pedindo ajuda pelos corredores.

Somos a única categoria de profissionais que não pode fazer greve, mas podemos fazer uma paralisação, atendendo somente emergência e risco eminente de morte. Não haverá omissão de socorro. Toda emergência será atendida. Os pacientes já internados serão tratados com o mesmo respeito.

Nós respeitamos o juramento que um dia fizemos de salvar vidas e nunca causar danos. Nós respeitamos vocês e queremos também ser respeitados. O Hospital Darcy Vargas só existe ainda devido ao imenso amor que nós, médicos, e todos os outros funcionários temos por ele. Esse hospital, é nosso, é do povo, e vamos lutar por ele!

Muito obrigado! Rio Bonito 29 de novembro de 2016.

Repercussão

Nas mídias sociais, as pessoas demonstram preocupação com a situação do HRDV. A internauta Vanessa Amaral escreveu em seu perfil no Facebook, que na madrugada dessa terça-feira (29/11), a sua filha acordou passando muito mal. Ela escreveu que como o médico da criança não atendia no consultório particular naquele dia ela ficou se perguntando onde levar sua filha. Ela decidiu ir ao Hospital Darcy Vargas, “de repente tenho sorte de ter um pediatra de plantão”.

Segundo ela, a criança já estava desidratada de tanto que vomitava e ela escreve que “graças a Deus tinha uma pediatra maravilhosa” para atender sua filha.
– Nos atendeu muito bem, logo colocou Helenna no soro e com a medicação necessária. Mais essa médica está trabalhando sem receber seu salário há dois meses. Ela me entregou uma carta relatando tudo o que eles têm passado nesta gestão e comunicando que o hospital vai paralisar na quinta-feira (1º/12). Aí pergunto: O que será de nós? Minha filha tem plano de saúde e eu ainda posso recorrer a outros hospitais. E quem não tem? Como faz meu Deus? Que tristeza! Que absurdo! Que raiva! Uma mistura de sentimentos sabe? Pois por causa de um ou de outro uma população inteira que sofre – desabafou Vanessa, que concluiu o seu texto revelando a liberação da sua filha e afirmando que vai rezar pela recuperação total da menina e pela situação do hospital “para que se resolva logo”!

Vereador Leandro Barbeiro, de Tanguá, fala sobre conquista do 2º mandato e suas perspectivas

Flávio Azevedo
Reeleito para mais um mandato no Legislativo de Tanguá, com 448 votos, o vereador Leandro Machado, o popular Leandro Barbeiro (PRP) é nosso entrevistado. O parlamentar comentou sua vitória no último dia 02/10, suas perspectivas para o próximo mandato, suas impressões sobre a campanha de 2016, entre outros temas.