segunda-feira, 23 de março de 2015

Babilônia

Flávio Azevedo 
Eu não estou entendendo o motivo de tanto palavrório e tanta crítica à novela “Babilônia”, a nova trama da TV Globo. O que se percebe é que a sociedade está escandalizada, porque duas senhoras se beijaram logo no primeiro capitulo. Mas será mesmo que foi o beijo entre pessoas do mesmo sexo que escandalizou os espectadores? Não teria colaborado para esse horror, o fato de serem duas anciãs? Penso assim, porque quando Mateus Solano e Tiago Fragoso se beijaram na novela “Amor à Vida”, não vimos tanto alarde, inclusive, tinha muita gente torcendo por um final feliz entre os rapazes. O que se percebe é que o beijo entre jovens do mesmo sexo é tolerado. Mas a cena de vovós se beijando não agradou!

A verdade é que não é de hoje que a TV Globo estimula o homossexualismo em suas novelas e programas em geral. E faz isso intencionalmente, porque afinal, o assunto está aí e precisa ser discutido. O curioso é que há anos alguns segmentos da sociedade condenam as novelas e atrações globais, mas nunca encontraram eco. Outro problema que ainda não se definiu em relação as novelas é se elas estimulam a sacanagem ou se elas, simplesmente, retratam a sacanagem de uma sociedade egoísta, corrupta e violenta.

Eu, porém, gostaria de chamar a sua atenção para outras questões que há anos as novelas inculcam no imaginário popular e ninguém percebe. Sorrateiramente, costumes, hábitos, comportamentos, estereótipos e valores são derrubados e inaugurados pelas novelas. A questão é que todos aceitam essa imposição, porque para estar na moda tem que estar igual o galã e a dondoca da novela.

Há cerca de 40 anos as novelas fabricam um festival de senhoras fúteis, desfrutáveis, infiéis, cruéis com a família e enlouquecidas por um amor não correspondido. Do outro lado está o que chamam de galã, personagem que há muito tempo perdeu a masculinidade e o senso de justiça dos mocinhos. O que a novela vende como estereótipo masculino é um sujeito pueril, irresponsável, inseguro, infiel, vazio, sustentado pelos pais, ambicioso, sem limites e que está sempre de olho na mulher do outro.

Não sou defensor do homossexualismo, discordo da prática, porém, mais grave que tentar me convencer que está na moda ser gay é me forçar a adquirir estereótipos. Para domar o universo feminino, as novelas trazem atrizes que desfilam corpos esculpidos por custosas cirurgias estéticas e horas de academia. Elas fazem os homens babar. Por falta de tempo e dinheiro, a maior parte das mulheres do mundo real nunca alcançará aqueles corpos, razão de tristeza e depressão para muitas delas. O pior é que depois de um dia cheio, trabalhando fora e dentro de casa, a esposa ainda é obrigada a ouvir o infeliz do marido dizer: “isso que é mulher, não é aquilo que eu tenho lá em casa!”.

Já para impressionar os homens estão os atores. Pilotando motos e carros do último tipo, helicópteros e até aviões, eles exibem corpos malhados, estão sempre sorridentes, sedutores e charmosos, um perfil que também nunca será alcançado pelo cidadão que acorda muito cedo e chega muito tarde na luta diária para sustentar a família. Eles fazem a mulherada sonhar! Por não alcançar o padrão de beleza da novela, a própria esposa chama o esposo de “Ogro”. Mas... E a família, onde fica? Essa nunca é fortalecida nas novelas. Pelo contrário, as principais sacanagens acontecem dentro da família, onde irmão transa com a mulher do irmão; sogra com genro; sogro com nora; empregada com patrão; patroa com empregado... Uma promiscuidade que por ser repetida tantas vezes acaba sendo olhada como normal e quem não faz igual “está fora de moda”.

O que ninguém percebe é que os objetivos traçados nos últimos 40 anos já foram alcançados. Agora que as novelas já conseguiram transformar boa parte do público feminino em madames tresloucadas; e boa parte do público masculino em tremendos bobalhões; o beijo entre pessoas do mesmo sexo – seja entre senhoras; rapazes; ou duas jovens, como aconteceu com Paola Oliveira e Maria Fernanda Cândido (Felizes Para Sempre?) – é apenas um mero detalhe. O que alguns esquecem, porém, é que essa é mais uma estratégia para derrubar velhos conceitos e construir novos hábitos. Todavia, fica muito nítido que implantar a nova ordem, numa sociedade composta por indivíduos tresloucados e bobalhões é muito mais fácil que fazê-lo num ambiente onde as cabeças são orientadas por valores ditos “ultrapassados”.

Termino lembrando que o meu pai lia muitos versos da Bíblia para mim. Eu cresci ouvindo o meu pai lecionando os ensinamentos bíblicos. E ao escrever esse texto, um trecho da Bíblia que ouvi o meu pai falar muitas vezes vem a minha mente. Diz assim: “E depois destas coisas vi descer do céu outro anjo, que tinha grande poder, e a terra foi iluminada com a sua glória. E clamou fortemente com grande voz, dizendo: Caiu, caiu a grande Babilônia, e se tornou morada de demônios, e coito de todo espírito imundo, e coito de toda ave imunda e odiável. Porque todas as nações beberam do vinho da ira da sua fornicação, e os reis da terra fornicaram com ela; e os mercadores da terra se enriqueceram com a abundância de suas delícias. E ouvi outra voz do céu, que dizia: Sai dela, povo meu, para que não sejas participante dos seus pecados, e para que não incorras nas suas pragas”. Apocalipse 18 . 1 a 4.

Agora, é com você!

domingo, 22 de março de 2015

Educação sendo divisor de águas

Flávio Azevedo
Com muita esperança e alegria, eu cobri o "Ato Público" dos profissionais de Educação, na última quinta-feira (19/03). Realizado na Praça Fonseca Portela, no Centro da cidade, o evento pode ser considerado um dos divisores de água do comportamento do funcionalismo público de Rio Bonito. Com o microfone, a servidora Nelma Sá, que trouxe um discurso firme, arrojado, recheado de tristes verdades e que nos convida a reflexão.
A Educação está um caos, mas apesar da perseguição que certamente será deflagrada contra eles, os bravos profissionais que lá estiveram ignoraram o DOI-CODI e foram lutar pelos seus direitos e por melhores condições estruturais e ambientais para os alunos da rede municipal de Educação.
Na minha concepção, nós passamos por um momento único na história do município e não adianta os "paus mandados" tentarem desqualificar o movimento ou tentar diminuir a importância desse ato.

Jesus Voltará

Flávio Azevedo

Na manhã desse sábado (21/03), na Praça Fonseca Portela, no Centro de Rio Bonito, local que recentemente foi palco de manifestações políticas muito razoáveis, membros da Igreja Adventista do 7º Dia organizaram uma manifestação também muito razoável e significativa. “JESUS VOLTARÁ” era a frase que eles exibiam.

Assunto que merece uma profunda reflexão, a volta de Jesus é uma promessa do próprio Cristo em vários pontos da Bíblia, sobretudo nos evangelhos. A mais significativa delas está contida no capítulo 14, versos 1 a 3, do evangelho de João, onde o próprio Jesus diz o seguinte aos seus seguidores:
“Não se turbe o vosso coração. Credes em Deus, crede também em mim. Na casa do Meu Pai há muitas moradoras. Se assim não fosse, eu vo-lo teria dito, vou preparar-vos lugar. E quando eu for preparar-vos lugar, VIREI OUTRA VEZ, e vos tomarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também”.

Pensemos nisso!

quarta-feira, 18 de março de 2015

Vinte perguntas para a prefeita Solange Almeida

Flávio Azevedo 
A prefeita Solange Almeida vai participar nessa quinta-feira (17/03), às 11h da manhã, do programa “Cidade Agora”, da Super Rádio Tupi 1340 AM – Leste Fluminense. Na ocasião, os comunicadores, Jesuíno Dias e José Carlos Rocha, serão os responsáveis por entrevistar a chefe do poder Executivo riobonitense. Que a entrevista traga esclarecimentos sobre o CAOS político administrativo que atinge Rio Bonito. Como o programa é aberto ao público, na qualidade de riobonitense e ouvinte do programa, eu preparei 20 perguntas que eu acredito serem inquietações deste jornalista e da população em geral.

1º Em campanha, a senhora disse que o momento do Brasil é outro e que tem dinheiro para tudo, ciclovia, cinema, Cultura etc. Por que nada disso ainda não aconteceu?

2º Em janeiro de 2013, a senhora anunciou que pegou a Prefeitura com um rombo de R$ 20 milhões. Curiosamente, nesse ano a senhora pagou os compromissos em dia, aumentou o repasse do Hospital Darcy Vargas, pagou Abono de Natal dos contratos etc. Em 2014, quando os recursos estavam inteiramente sob a sua gestão, a Prefeitura não honrou os seus compromissos. O que houve?

3º As críticas do seu grupo direcionadas a Educação da gestão Mandiocão eram muito razoáveis e pertinentes. Mas a senhora entra no terceiro ano de governo com a Educação bem pior que a do seu antecessor. Na rua, nas escolas, na conversa com os profissionais do setor, só ouvimos reclamações. O que houve?

4º O governo Mandiocão descontava os empréstimos consignados do servidor, mas não repassava ao banco. Isso fez com que muitas pessoas tivessem o seu nome colocado no SPC/SERASA. A senhora muito criticou essa situação, mas isso está se repetindo na sua gestão, por quê?

5º Os proprietários de carros agregados (Kombi a caminhões) dizem que estão cerca de cinco meses sem receber pelo serviço prestado. Quando esse pessoal vai receber?

6º O recurso (Bloco MAC) do governo federal está desde o dia 6 de março na conta da Prefeitura. Todavia, no dia 17 a Prefeitura ainda não havia feito o repasse para o Hospital. O que aconteceu?

7º O Centro de Oncologia Rio Bonito foi uma conquista do município. Mas segundo o administrador Paulo Vieira, como a instituição está sem receber pelos serviços prestados há três meses, a possibilidade de encerramento das atividades da clínica é real. O que a senhora está fazendo para impedir essa perda?

8º Inúmeros funcionários da Prefeitura, em dezembro de 2014, fizeram hora extra. Contudo, já estamos em março e eles ainda não receberam pelo serviço prestado, por quê?

9º Em 2014, um funcionário braçal de uma empresa que presta serviço para a Prefeitura caiu do caminhão e morreu. Esse acidente não foi suficiente para que os demais trabalhadores sejam transportados com segurança, pois eles continuam sendo transportados nas carrocerias sem nenhuma proteção. Quando esse problema será resolvido?

10º O Instituto de Previdência enfrenta problemas financeiros que começaram quando ele foi fundado, curiosamente, quando a senhora também era prefeita e não fez o aporte financeiro necessário na instituição. Fontes no próprio instituto revelam que a Prefeitura não tem feito os repasses necessários; e afirmam que o Iprevirb vai falir. Essa semana a senhora trocou o presidente do Instituto. Isso é suficiente para colocar a casa em ordem?

11º A UPA caiu muito de qualidade. Os aparelhos de ar refrigerados estão desligados, o prestador de serviço que cuida da manutenção dos aparelhos diz que há meses não recebe pelo serviço prestado; o chão está cheio de buracos; há cerca de um mês uma das cadeiras quebrou e jogou uma senhora no chão. Por que essa queda de qualidade?

12º A Prefeitura de Rio Bonito conseguiu trazer o programa 2º Tempo e ele irá atender inúmeros bairros carentes. As equipes já fizeram processo seletivo, a chegada do programa está sendo anunciada desde 2014, mas até agora nada. Vai demorar mais quanto tempo para as atividades realmente serem iniciadas?

13º Embora a senhora tenha um excelente trânsito com a Câmara de Vereadores, na última terça-feira (17/03) o presidente da Casa, vereador Reis, anunciou que diante de tantas reclamações das ruas, das mídias sociais; e dos próprios vereadores, sobre a ineficiência do governo, todos os secretários serão convocados a dar esclarecimentos e prestar conta das suas ações, à Câmara de Vereadores e a sociedade. Isso não é sinal de que o governo realmente não está bem e precisa melhorar?

14º Rio Bonito teve um prejuízo significativo com o não pagamento do Abono Natalino dos contratados e com a não realização do Carnaval. Calcula-se que cerca de R$ 4 milhões tenham deixado de circular no comércio local. O município precisa arrecadar, mas o carnê do IPTU ainda não chegou às residências, o que significa prejuízos na arrecadação. Nunca é demais lembrar, que nesse ínterim, o secretário de Fazenda, o conceituado contador, Walmyr Figueiredo, entregou o cargo. Por que isso aconteceu?

15º As aguardadas obras de pavimentação do governo estadual foram paralisadas e não foram concluídas. Embora sejam realizações do governo do Estado, as informações do seu próprio grupo de trabalho é que as obras não seriam prejudicadas, porque o recurso da ordem de R$ 21 milhões já está nos cofres do município. Isso é verdade?

16º No palanque vitorioso, em 2012, uma das suas principais promessas era a implantação do Plano de Cargos e Remuneração do servidor público, sobretudo para a categoria da Educação. A senhora ainda não cumpriu o prometido e, novamente, numa audiência pública do dia 29 de agosto de 2014, se comprometeu de mandar, em março de 2015, o Plano de Cargos para a apreciação dos vereadores. Na ocasião, a senhora também se comprometeu a implantar o Piso Nacional para a categoria da Educação já em janeiro de 2015. Nada disso aconteceu até agora, por quê?

17º Em campanha, a senhora prometeu, entre outras coisas, implantar um tomógrafo na UPA, o que seria um ganho considerável para a população. Até o final do seu mandato a senhora pretende colocar esse tomógrafo naquela unidade? Qual a fonte de financiamento desse equipamento? E os profissionais que irão operar essa máquina, o médico responsável pelos laudos e exames, uma equipe que não é barata, como a senhora pretende custear esse pessoal?

18º Enquanto a Prefeitura aluga muitos imóveis, alguns bens próprios estão se deteriorando, por exemplo, o Centro de Saúde Dr. Almir Branco, fechado há mais de um ano. O que aconteceu? O Centro Pediátrico que a senhora pretendia implantar no local, a senhora desistiu da ideia?

19º A limpeza da cidade está deixando muito a desejar, sobretudo quando se trata da coleta de entulhos e resto de obras. O cidadão, nós sabemos, também não tem consciência, mas a Prefeitura não recolhe o entulho, não multa o dono do entulho e não presta um serviço eficiente para que a pessoa não coloque o lixo na rua. O que poder ser feito de imediato para solucionar esse problema e conscientizar a população?

20º O processo seletivo e o concurso público estão em meio a muita polêmica. A prova do processo seletivo virou piada. Já os aprovados no concurso público reclamam que a ordem de classificação não foi respeitada e, por conta disso, tem merendeira e auxiliar de serviços gerais em sala de aula tomando conta dos alunos. A senhora acha isso normal? O que está sendo feito para remediar essa situação? Um mês depois do início das aulas, muitos alunos ainda não receberam nenhum conteúdo. Essas aulas serão repostas?

domingo, 15 de março de 2015

Hipocrisia

Flávio Azevedo 
Continuo achando que os brasileiros pensam que os nossos políticos são seres vindos do espaço, por isso é que os políticos são tão desonestos. Outros brasileiros devem acreditar que somos governados por dinamarqueses, país considerado o menos corrupto do mundo. Mas não é assim amigo! Os nossos políticos são brasileiros!

Precisamos deixar a hipocrisia de lado e entendermos definitivamente que esses tralhas que nos governam (as exceções são mínimas) são os nossos representantes, inclusive, quando agem desonestamente e atuam na lógica do "farinha pouca meu pirão primeiro". 

Por exemplo: para onde foi o dinheiro desviado da Petrobras? Somente para paraísos fiscais onde irriga a conta dos corruptos? Não! 

Essa grana é desviada para custear campanhas. Essa grana compra o nosso voto; paga trio elétrico. O amigo já viu aquele político falar que vai chegar um dinheiro do partido para ajudar a campanha dele? Pois é! Advinha de onde vem essa grana? Será que algum inocente acha que o deputado, o senador, o governador ou o presidente do partido mete a mão no bolso para bancar a campanha daquele amigo?

Pois é... E essa grana paga a gasolina que o sujeito pega em troca de plotar e colocar adesivos no carro; essa grana paga o aluguel do muro onde o político pinta o nome e o número dele; essa grana paga o salário de quem balança bandeira em comício e anda uniformizado em época de eleições; essa grana paga cirurgias, cestas básicas, custeia óculos, exames, e excursão com pacientes para o Rio de Janeiro; financia festinhas de formatura, funeral, aluguel de ônibus para variados fins, etc...

Por tanto, como bem escreveu o vereador, Luciano Lucio em seu perfil no Facebook... Vamos olhar para o nosso umbigo, cuidar do nosso quintal e se cada um fizer isso, o país muda, melhora e avança sem ninguém ir para rua!

Tolos, espetinhos ou desonestos?

Flávio Azevedo 
Concordo plenamente com o professor Renato Janine. Contudo, a questão é que a ditadura da corrupção; a lei da mordaça imposta pelo viés democrático; e a certeza de que somos governados por calhordas; força o cidadão acreditar que as atrocidades praticadas pelos militares eram mais “honestas”. Pelos menos tínhamos uma ditadura de fato, com um rosto, alguém contra quem lutar... Hoje, nós temos essa coisa abstrata, sem rosto, sem endereço, uma espécie de organização secreta... Pois está em todo lugar.

Dizem que vivemos numa democracia. Será? É democrático o sujeito perder o emprego, simplesmente porque enxerga a incompetência do empregador e tentou orientar? É democrático ser obrigado a votar, sobretudo nessa camarilha que se apresenta como opção a cada eleição? É democrático pertencer a um partido para poder participar de um processo eleitoral? A insegurança que atinge as famílias a cada virada de ano (será que o meu contrato será renovado?) é coisa de um país democrático?

É democrático vermos cidades, estados e o país, simplesmente, largado as traças; e a sociedade civil organizada e parte da classe política não dizer nada porque estão amordaçados com presentinhos, acordos, mimos, empregos, nomeações, comandos de departamentos, entidades, estatais etc.?

A Ditadura Militar não foi legal, o retorno dela não é interessante, mas a Ditadura da Democracia que encurrala, amordaça, explora, amedronta, vigia, humilha e ri da cara do cidadão, essa também não é legal! Abaixo essa corja de omissos, coniventes, corruptos e os boca abertas que dão sustentação a essa camarilha que tomou de assalto o país, os estados e os municípios. O problema é que eles estão embasados na lógica do populismo que oferece favores, boquinhas e estimula o fenômeno “farinha pouca meu pirão primeiro”!

Ainda há muito a ser mudado e tem que começar de baixo!

sexta-feira, 13 de março de 2015

As práticas erradas que a sociedade acaricia provocam a crise que atinge o Brasil

Flávio Azevedo 
Tenho visto muita gente preocupada com o momento político e social do Brasil. “Estamos numa profunda crise constitucional”; “tragam de volta a ditadura”; “vamos pedir o impeachment da presidente”... Essas são algumas das soluções e conclusões que vemos na mídia e a cada esquina. E não é nada disso! A verdade é que estamos dentro de um divisor de águas, uma encruzilhada... Ou seguimos o caminho da civilidade e da responsabilidade social para alcançarmos o patamar de nação forte e progressista; ou continuamos seguindo os caminhos da corrupção e da impunidade que nos mantém na escala de país subdesenvolvido.

Poucos percebem que o sistema corrupto que criticamos se sustenta no tripé da ausência de cidadania, falta de Educação e despreocupação com os valores. Uma vez baseado nesse tripé, o sistema é irrigado pela falta de bom senso e pelo egoísmo. Desculpem os amigos, mas a classe política não está sozinha nesse mar de lama e nos episódios de corrupção... O pecado dela é o oportunismo, porque a classe política se apropria da ignorância, da preguiça e da frouxidão do povo para vender facilidade ou trocar a facilidade pelo voto.

O momento não é de crise, mas de reflexão, porque a lógica do “eu não tenho nada com isso” não é mais possível. É preciso participar, se envolver, ingressar na política, porque o país não aguenta mais. Ao longo dos últimos 50 anos, a mídia tem criminalizado a política, quando deveria criminalizar criminosos. Mas o medo de ser processado por chamar um bandido de criminoso afoga a indignação popular e dá a ideia de que o crime compensa, porque “tudo sempre acaba em pizza”. Tudo isso acontece porque boa parte da mídia está a serviço de um sistema que objetiva afastar as pessoas “de bem” da vida pública. A questão é que quando “os de bem” se omitem, eles se tornam “coniventes” e a “conivência” torna o inocente culpado.

Não adianta se indignar com os escândalos, porque os bilhões desviados pela classe política não vão apenas para a conta deles. Esses recursos pagam o combustível que o político coloca no nosso carro na época da campanha eleitoral; paga o salário de quem balança bandeira em comício; paga o espaço alugado naquele muro que ganhou a pintura com o nome do político; paga matérias jornalísticas e publicitárias publicadas nos veículos de comunicação; paga a suposta doação de tijolos, areia, dentaduras, exames, consertos da geladeira, cirurgias estéticas, festas de formatura, casamentos e aniversários de 15 anos. Paga o advogado que vai tirar da cadeia, o moleque que foi preso por estar traficando... Enfim, paga os R$ 50,00 ou R$ 100,00 que recebemos em troca do voto a cada eleição...

Portanto amigo, o Brasil vive um divisor de águas, onde o cidadão precisa abrir mão de práticas erradas que todos nós acariciamos. Nessa encruzilhada, ou seguimos a lógica do “ordem e progresso” ou continuamos no sistema “farinha pouca meu pirão primeiro”. Não adianta mudar os nossos representantes políticos, porque eles nos representam, inclusive, nos atos ilícitos. A mudança tem que vir a partir de nós. Mudar está em nossas mãos, mas preferimos votar no corrupto, porque ele não tem puder na hora de oferecer facilidade, fazer promessas mentirosas... E o voto acaba se tornando um investimento e não uma manifestação de vontade. Aí está a essência da mudança!

Para pensar e refletir: será que estamos interessados em abrir mão da nossa zona de conforto, geralmente baseada nas pequenas ilicitudes, para ingressarmos num sistema verdadeiramente igualitário e correto? Eu tenho as minhas dúvidas...

quinta-feira, 12 de março de 2015

A estratégia dos populistas é fragilizar a dignidade humana

Flávio Azevedo 
Gloria Álvarez é a face de um vídeo que não tem parado de circular pela Internet nas últimas semanas.
Se você nunca ouviu falar em Gloria Álvarez, certamente você já ouviu falar do populismo. Glória Álvares é uma jovem guatemalteca que impressionou o mundo ao participar do Parlamento Ibero Americano da Juventude em setembro de 2014. Cientista política, radialista e ativista em prol da democracia, direitos humanos e liberdade individual, ela apresentou a face obscura do populismo e a forma sórdida como ele conquista e enreda multidões mundo a fora.

Segundo ela, a primeira coisa que o populismo faz é desmantelar as instituições, pouco a pouco. E isso pode acontecer pela esquerda ou pela direita. As constituições são modificadas conforme os interesses corruptos. O populismo não veio por pura casualidade. Precisamos denunciar as suas atrocidades contra as instituições democráticas e mostrar o péssimo trabalho dos seus governos. Filósofos como Sócrates e Aristóteles observaram que a democracia, se destaca por três direitos fundamentais e inalienáveis: a vida, a liberdade e a propriedade. Esses três direitos precisam existir em cada um de nós, mas sem avançar sobre o direito do outro.

O populismo se aproveita das paixões, ilusões e ideais das pessoas, prometendo o impossível e aproveitando-se da miséria dos indivíduos. O populista quer te fazer acreditar que você está fora da razão e não pode tomar decisões. Ele descobre a sua necessidade, o seu ponto fraco e lhe concede favores em troca de um espírito servil.

Há três tipos de governo: monarquia, aristocracia e democracia. Quando os gregos observaram essas três formas de governo, eles perceberam que a República conseguia reunir esse trio: o monarca, na forma de presidente; a aristocracia, na forma de parlamento; e a democracia, como via de comunicação e equilíbrio desse modelo de sociedade. A República anula os vícios das três formas de governo para agrupá-las e formar uma instituição que o populismo, hoje, está destruindo.

Diante desse cenário, nós precisamos desmantelar o populismo através da tecnologia, ferramenta que se amplia a cada dia. O problema é que se a tecnologia evolui, a Educação segue estagnada. Por outro lado, os nossos parlamentos não trocam ideias; não debatem esses fenômenos e a ideologia perde importância. Já não há um respeito pelo argumento, porque ele opõe as mentiras e engodos da classe politica.

Os nossos lideres populistas anulam toda a razão, o argumento e estimula as paixões. Por isso, precisamos levantar uma paixão... Mas a paixão pela Educação, pela troca de ideias, pelo conhecimento, por pessoas que através desses instrumentos tenham poder. O populismo anula a dignidade humana fazendo a pessoa se achar incapaz de governar a sua própria vida. O individuo necessita que alguém faça por tudo por ele. Para o populista, quanto mais dependente melhor. Aliás, O POPULISMO AMA TANTO OS POBRES QUE OS MULTIPLICA. O populista multiplica a miséria para continuar recebendo o voto através de trocas materiais. O que fazer para superar essa postura exploratória e perversa que multiplica a miséria?

O fato de uma pessoa acumular riquezas não impede que outra também o faça. Todavia, para isso ocorrer com justiça precisamos de instituições firmes, segurança jurídica, respeito ao estado de direito e, sobretudo, resgatar, em nossos parlamentos e na sociedade, o respeito e a admiração pelo debate de ideias com argumentos, razão e lógica. Contudo, uma população que não têm acesso a Educação de qualidade não vai exigir debates que tenham lógica, argumentos e ela será facilmente manipulada.

A melhor ferramenta para combater esse cenário perverso são as redes sociais, a tecnologia e a comunicação. É importante vencer o populismo que se consolida através da pobreza, da ignorância e mantêm as pessoas submetidas à ilusão de que só os bens materiais são importantes. O populista e seus aliados aterrorizam os pobres com a ameaça de que eles terão perdas materiais se ele votar em outro.

Enfim, precisamos desmantelar o populismo, mas isso só será possível através da tecnologia e usando a República, o único sistema que de fato resgata as instituições, pois se baseia na razão, na lógica, no argumento e na troca de ideias.

segunda-feira, 9 de março de 2015

Onde estão os candidatos a vereador que não se elegeram?

Flávio Azevedo 
Diante de inúmeros temas relacionados a política riobonitense, mudanças sociais e estruturais que a sociedade espera e não acontecem, eu sempre vejo as pessoas, sobretudo pré-candidatos ao cargo de vereador, criticando os atuais parlamentares. Eu concordo que alguns estão omissos, outros coniventes e há quem não tem condições de ocupar o cargo. Todavia, eu também pergunto: e os candidatos a vereador que participaram das eleições de 2012? Alguns nomes tiveram votação expressiva. Independente de fazerem parte do governo ou não, onde eles estão? O que fazem? O que dizem? O que pensam desse momento conturbado que Rio Bonito atravessa?

Alguns se limitam a ficar no Facebook observando as postagens. Outros nem isso. Há ainda aqueles que nem mídia social possui. Desse grupo, nós temos aqueles que estão fazendo parte do governo municipal, e exatamente desses nós esperávamos um pouco mais, exatamente por estarem dentro da máquina governamental. O argumento é que “a prefeita é centralizadora e não dá espaço”. Então por que continuar num governo que não permite você dar a sua contribuição? Por conta do salário? Não... Eu não quero acreditar nisso!

Por outro lado, não é difícil encontrar boa parte desses senhores nas esquinas da cidade criticando a postura dos atuais vereadores... Mas o que estão fazendo? Na qualidade de jornalista, eu participo ativamente da vida política do município e não vejo essas pessoas nas reuniões dos Conselhos Municipais, Agenda 21, assembleias que envolvam temas como Hospital Darcy Vargas, o comércio local, entre outros. Como esses candidatos me convencerão que eles são melhores que os atuais vereadores?

A seguir, eu vou disponibilizar os nomes mais votados no pleito de 2012. Eles tiveram mais de 400 votos e diante da expressiva votação que receberam poderiam estar contribuindo mais, independente de ter mandato. Veja os nomes:

Caneco: 1.105 votos;
Jorge Brandão: 900 votos;
Humberto Belgues: 848 votos;
Sandro Santana: 844;
Humberto Guarda: 777 votos;
Diorle: 674 votos;
Zé da Padaria: 662 votos;
Damião: 638 votos;
Fernando da Mata: 636 votos;
Saulo da Saúde: 615 votos;
Xeroca: 610 votos;
Rafael do Rio do Ouro: 548 votos;
Fernando Soares: 472 votos;
Paulinho Cavalinho: 472 votos;
Rogério Guedes: 465 votos;
Luiz Cláudio: 464 votos;
Edelir Negão: 447 votos;
Eduardo Soares: 408 votos.

Nesse grupo ainda tem o ex-vereador Maninho, que recebeu 560 votos, mas ele faleceu em novembro de 2014. A soma dos votos recebidos por esses 18 candidatos com os votos do vereador Maninho dá um total de 12.145 votos. Ou seja, tem ou não tem responsabilidade, com o seu eleitorado, esses candidatos?

domingo, 8 de março de 2015

O que acontece na Educação de Rio Bonito?

Flávio Azevedo

Postagens no Facebook reclamam os absurdos que estão acontecendo na Educação.
Afinal de contas, o que está acontecendo com a Educação do município de Rio Bonito? A cidade, na última semana, apareceu em rede nacional de maneira vexatória e vexaminosa. Estamos falando da história do processo seletivo simplificado que pretendia selecionar pessoas para atuar em nove cargos da pasta da Educação. Os níveis eram superior, médio e fundamental, mas as três modalidades contaram com uma prova que não passou de uma piada de péssimo gosto. Aliás, também podem ser classificadas como “deboche”, as explicações sobre o motivo da prova ser tão ridícula. 

Segundo a secretária municipal de Educação, Lucy Teixeira, não foi possível formular provas diferentes para os três níveis de escolaridade, porque a pasta não tem profissionais suficientes para elaborar e corrigir os exames. 
– Seguimos dentro da legalidade. O processo é simplificado mesmo. E foi uma opção nossa aplicar a mesma prova para os diversos cargos, pois nossa comissão é pequena. A prova foi só para atender ao decreto e, além disso, eliminar as pessoas que não têm noção nenhuma – declarou a secretária.

Farsa, processo indicativo, piada, comédia, loucura, combinação; foram as palavras mais usadas por quem comentou o assunto nas mídias sociais. O jornal O Dia e a TV Bandeirantes estiveram em Rio Bonito para conhecer a história da prova do processo seletivo. Quem ama Rio Bonito e deseja o melhor para o município está envergonhado. O certame é tão controverso, que pode ser tema de investigação do Ministério Público (MP), provocado a investigar o assunto pelo presidente do diretório municipal do PT, Jorge Wallace Bretas, que entrou com requerimento para a abertura de inquérito civil investigatório, na Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva de Proteção à Educação (São Gonçalo).

Diante de tantos relatos de indignação popular, logicamente, deixando de lados os puxa sacos que dizem estar o governo no caminho certo, o que está dizendo a prefeita da cidade? O que está dizendo a secretária de Educação (e não venha com as respostas absurdas, incompreensíveis e cheias de tecnicismo)? O que está dizendo, sobre esse assunto, o poder Legislativo, em Rio Bonito, composto por 10 vereadores? O que estão dizendo a sociedade civil organizada? Até, agora, somente o diretório do PT buscou o socorro do MP. O que estamos dizendo, você e eu?

Sim amigos, a Educação precisa de mais, muito mais. Criticar por criticar, não vai ajudar. Defender por defender, também não. Fingir que não está acontecendo nada também não. A verdade é que precisamos de ação, trabalho e, sobretudo responsabilidade com os alunos. Professores, merenda, infraestrutura para as escolas e remuneração decente para os profissionais de Educação; são as primeiras prioridades para o setor. Todavia, refletir sobre tudo isso olhando a Educação como política pública ou direito, e não como negócio, já seria um avanço considerável.

Não se ganha dinheiro com Educação, mas as pessoas que mandam não abrem mão dessa lógica, porque o olho é grande, o escrúpulo é nenhum e o interesse pelo outro é zero. Que a ridícula prova do processo seletivo seja um fator motivacional para corrigirmos deformidades, esquecermos diferenças de pensamento e nos concentrarmos na Educação e nos verdadeiros patifes que exploram o setor de maneira criminosa e cínica.