segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Vereador Humberto Belgues volta ao poder Legislativo com todo gás

Flávio Azevedo
O vereador Humberto Belgues defende o seu ponto de vista da tribuna da Câmara.
Em 2012, o pião da legenda deixou de fora da Câmara Municipal de Vereadores de Rio Bonito, o funcionário público, Humberto Belgues (PSL); que retorna esse ano a Casa Legislativa e tem afirmado da tribuna da Câmara que retornou disposto a mostrar serviço. Logo na primeira sessão ordinária de 2017, realizada no dia 16/02, o parlamentar fez algumas críticas ao governo anterior e disse que “se eu fosse vereador na legislatura passada, vários erros cometidos pela ex-prefeita teriam sido evitados, porque eu não deixaria certas coisas acontecerem”.
– Quando a Câmara de Vereadores fiscaliza e age com firmeza, o prefeito erra menos e quem ganha é o município. Já estamos atentos ao mandato do prefeito, José Luiz Antunes (PP); para ajudá-lo a não cometer erros como aconteceu com a sua antecessora. Tem gente que me rotula como oposição, por conta dessa postura, o que não me deixa nem um pouco chateado, uma vez que a minha preocupação é com Rio Bonito e nosso povo – disse o vereador, que já está provocando polêmicas desde os primeiros dias de mandato.

Na sessão legislativa do dia 21 de fevereiro, Humberto apontou falhas no processo seletivo que a Prefeitura está fazendo para Secretaria Municipal de Promoção Social. Segundo o parlamentar, a ausência de vagas para pessoas com necessidades especiais pode cancelar o certame. Ele afirmou que o processo seletivo está sendo realizado em prazo muito curto para que toda população tivesse conhecimento. O vereador disse ainda, que a prova foi marcada para uma data muito próxima as inscrições e tudo isso pode cancelar o certame.
– Eu não estou pedindo o cancelamento do processo seletivo, mas que ele seja readequado, porque da maneira que está, se algum candidato se sentir prejudicado e recorrer a Justiça, certamente conseguirá anular. As pessoas com necessidades especiais foram excluídas, o que é uma falha grave num tempo em que tanto se fala de inclusão – disparou o vereador, ressaltando que embora saiba que será criticado pelos simpatizantes do governo, “esse é o meu papel e que essas falhas não se repitam nos próximos processos seletivos”.

A Prefeitura Municipal de Rio Bonito (PMRB) acabou adiando a data da prova de 24/02, para 12/03, porque cerca de 2 mil pessoas se inscreveram para concorrer as 67 vagas oferecidas. O vereador Humberto Belgues aproveitou para falar do polêmico concurso público realizado pela PMRB em 2016.
– É esse tipo de postura que eu adoto ajuda a evitar os erros. Muita gente até hoje critica o que aconteceu no concurso feito pela PMRB ano passado. Existe suspeita de fraudes, o certamente acabou sendo cancelado e o caso está sendo investigado pelo Ministério Público (MP). É exatamente por essa razão que eu estou aqui apontando essas falhas. Para que evitar que se repita o constrangimento que aconteceu nesse concurso da Prefeitura, uma vergonha para todos nós – explicou o vereador.

Outras questões
Na sessão Legislativa seguinte, Humberto Belgues criticou a intempestividade do Decreto que proibiu, durante os festejos de Carnaval, a comercialização de bebidas em garrafas no Mercado Municipal.
– Nós sabemos que essa proibição é uma prática normal em eventos maiores, mas o Decreto deveria ter sido publicado há cerca de duas semanas, porque, agora, os comerciantes já compraram os seus produtos e como vão fazer? Fechar as portas? – questionou Humberto, que disse estar cansado de ver tanto erro. “Tem dia que eu resolvo não dizer nada, porque quanto mais falamos mais o governo erra, mas eu não consigo ficar quieto, não é da minha natureza e eles não aprendem”, dispara o vereador, reiterando que “o prefeito e experiente, mas muita coisa mudou”.

Outra polêmica que tem sido comentada pelo vereador é relacionada ao contrato entre a PMRB e a casa de festas Espaço Ceccarelli, que o prefeito teria dito em reunião com os vereadores, que a PMRM pagava R$ 40 mil mensais aos proprietáris do espaço. O parlamentar destacou que o valor não era esse e que a Câmara segue aguardando o envio do contrato para análise dos edis. “Não estavam encontrando o processo, mas eu fui lá, encontrei e olha que eu nem fazia parte do staff de trabalho da gestão anterior! O prefeito é experiente, mas isso não é suficiente para ver tudo sozinho. Além disso, ele precisa estar mais bem assessorado e principalmente dialogar mais com a Câmara e com a sociedade”, concluiu.

Segurança preocupa vereador Peixotinho de Tanguá que defende monitoramento

Flávio Azevedo
Assunto muito comentado em Tanguá e Região nos últimos meses, a insegurança é uma preocupação constante do vereador, Paulo Roberto Ferreira Peixoto Sobrinho, o Peixotinho De Tanguá (PSDB). Policial militar reformado, o parlamentar conhece o assunto e afirma que implantar um sistema de monitoramento na cidade é urgente. A entrevista foi um dia depois do furto do Banco do Brasil, em Tanguá, onde marginais entraram na agência durante a madrugada e conseguiram abrir um dos caixas eletrônicos.
– Já é uma ideia antiga que queremos e precisamos por em prática. Acredito que resolveria muitos problemas que estão atingindo a nossa cidade e recentes situações que ocorreram em Tanguá seriam evitadas. Os marginais seriam identificados e o cidadão ficaria protegido – disse Peixotinho, acrescentando que além do monitoramento, o aumento do efetivo de policiais militares é importante.

Com um número estatístico da Organização das Nações Unidas (ONU) em mãos, o vereador explica que Tanguá deveria contar com 92 policiais. Peixotinho fala embasado num estudo da ONU que aponta ser necessário um policial para cada 250 habitantes. “Levando em conta que Tanguá tem cerca de 33 mil habitantes, nós concluímos que a cidade deveria contar 92 policiais, o que está longe de acontecer”, frisou o vereador.

"Capitão do Mato" II

Flávio Azevedo
Depois da primeira história as demais vão chegando. Em determinada escola da rede municipal de Educação de Rio Bonito, a nova gestora chegou cheia de empolgação e botando a turma para desempenhar "tarefas extras". Diante da resistência de alguns, a nova gestora teria desferido humilhações contra cinco servidores e devolvido o quinteto à Secretaria de Educação.

O problema é que as gracinhas ditas pela "empolgada gestora" foram gravadas por um dos integrantes do quinteto, que frente ao secretário de Educação apresentou a gravação com as doces palavras e a maneira gentil com que foram tratados. Segundo as nossas fontes, o quinteto estava pronto para rumar para o Ministério Público.

Diante do conteúdo da gravação e da contundência das palavras da "empolgada gestora" não sobrou outra alternativa ao secretário que não fosse devolver o quinteto à escola de origem e substituir a "empolgada gestora" por alguém que saiba lidar com os iguais e tenha boas maneiras.
E viva a tecnologia! #flavioazevedo

Publicado Edital para o processo seletivo da Saúde da Prefeitura de Rio Bonito

Flávio Azevedo
Nesse sábado (25/02), o jornal Gazeta Rio Bonito chegou as bancas com o Edital do PROCESSO SELETIVO DA SAÚDE. São várias vagas para contratação imediata e cadastro de reserva. Segundo a minha fonte, as inscrições ocorrerão nos dias 02 e 03 de março, no Centro Administrativo da Secretaria Municipal de Saúde, na Bela Vista, entre ás 9h e 16h. As provas, ainda sem local e horário definidos, serão realizadas no próximo dia 12 março. 

PS: sobre o processo seletivo da Educação, não há notícias de publiicação do Edital. Quando eu souber certamente irei avisar. #flavioazevedo

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

"Capitão do Mato" persegue colega da Rede Municipal de Educação

Flávio Azevedo
Segundo um servidor público municipal de Rio Bonito, que cerca de 15 anos atua como zelador em determinada escola da rede municipal, no início do ano ele recebeu um telefonema da empolgada nova gestora escolar o convocando para pintar a unidade. Ele entendeu o entusiasmo da gestora, mas disse que não poderia colaborar, porque além de trabalhar em outro município, ele têm outros compromissos profissionais durante o dia. A gestora disse “você tem que vir”. Ele insistiu que “não seria possível”.

Para surpresa do zelador, dias depois ele foi devolvido a Secretaria Municipal de Educação. O zelador questionou a justificativa da devolução, uma vez que sempre cumpriu o seu horário, está lotado na referida unidade há cerca de 15 anos, além de ser funcionário efetivo do quadro da Prefeitura. A resposta foi que não havia um motivo para a devolução, simplesmente ele foi devolvido.

O servidor entendeu que a devolução aconteceu pela impossibilidade de fazer parte do mutirão. O zelador questiona se essa seria realmente a forma de lidar com um servidor que está lotado há tanto tempo na unidade e se essa é realmente a maneira de lidar com um colega de trabalho. O caso foi denunciado ao núcleo local do Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação (Sepe), está documentado e, segundo ele, será encaminhado ao Ministério Público.
– Eu já vi perseguição por causa de política. O cara não apoiou o candidato eleito, fez campanha para o derrotado, mas ser perseguido pelo gestor escolar, porque não foi possível participar de atividades que estão sendo realizadas fora do meu horário de trabalho é um absurdo e posso entender como assédio moral – comenta o servidor, acrescentando que ele tem ouvido outras histórias nesse sentido com outros colegas.

O que fica nítido é que estamos diante de um típico caso que eu identifico como “Síndrome do Capitão do Mato”, uma das doenças mais sérias que existe na máquina pública. Por que “Capitão do Mato”? Bem, todos sabem que o “Capitão do Mato” era o elemento responsável por capturar negros fujões no período que havia escravidão no Brasil. O que algumas pessoas não sabem é que “Capitão do Mato” não era um português loiro de olhos azuis, mas sim um negro de confiança do senhor de engenho. Uma vez investido de “Capitão do Mato”, esse negro tinha a função de castigar os seus iguais e ele fazia isso com prazer e em nome de manter alguma regalia que lhe era dada pelo senhor de engenho.

O que se percebe é que entra governo e sai governo e os “Capitães do Mato” se multiplicam, porque escravos querem manter regalias e porque o senhor de engenho se aproveita da ganância do ser humano. A pergunta que faço é como certas pessoas não tem vergonha de agir dessa maneira, uma vez que meses atrás estavam participando de movimento grevista, cobrando “valorização profissional” e exigindo “respeito aos profissionais de Educação”. Se existe algo que dá medo na natureza criada por Deus é o tal do ser humano.

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Último dia de inscrições para o processo seletivo da Secretaria de Promoção Social de Rio Bonito

Flávio Azevedo
Encerram-se nessa quarta-feira (22/02) as inscrições para o Processo Seletivo promovido pela Prefeitura de Rio Bonito para o provimento de vagas da Secretaria Municipal de Promoção Social. As inscrições estão acontecendo no Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), na Rua Major Bezerra Cavalcante, 654, no Centro. Os interessados devem comparecer ao local portando carteira de identidade, CPF e comprovante de residência. Os vencimentos vão de R$ 937,00 a R$ 1.784,00. A fila é grande no local.

Foram disponibilizadas 67 vagas para os seguintes cargos: Assistente Social (06 vagas), Nutricionista (01), Articulador de Projetos/ Coordenador (04), Cuidador de Criança e Adolescentes de Abrigo Institucional (12), Educador Social (04), Assistente Administrativo (04), Cadastrador Bolsa Família (04), Instrutor de Esporte, Lazer, Qualidade de Vida e Cultural (02), Instrutor de Oficina de Manicure e Pedicure (02), Instrutor de Oficina de Estética e Beleza (03), Apoio e Manutenção (08), Instrutor de Oficina de Música (02), Instrutor de Oficina de Dança (02), Instrutor de Oficina de Customização (02), Instrutor de Brinquedoteca (03), Cozinheira (02), Motorista (02) e Instrutor de Oficina de Panificação e Confeitaria (02).

O processo seletivo será realizado em duas etapas: prova objetiva, conforme o conteúdo programático disponível no site da Prefeitura (http://migre.me/w6nUe) e análise curricular. A prova será realizada nessa sexta-feira (24/02), na Escola Municipal Mauricio Kopke, no Centro.

Apesar da declaração do vereador Humberto Belgues (PSL), na sessão Legislativa dessa terça-feira (21/02), de que falhas no Edital podem resultar no cancelamento do processo seletivo, a Prefeitura ainda não emitiu nenhuma nota informando qualquer tipo de mudança no cronograma anunciado para o certame

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Processo seletivo da Prefeitura de Rio Bonito pode ser cancelado

Flávio Azevedo
Por conta de falhas como a ausência de vagas para pessoas com necessidades especiais, o processo seletivo que está sendo realizado pela Prefeitura Municipal de Rio Bonito pode ser cancelado. O alerta foi feito pelo vereador Humberto Belgues (PSL) na sessão Legislativa dessa terça-feira (21/02). O parlamentar mencionou o processo seletivo da Secretaria Municipal de Promoção Social, segundo ele, realizado em prazo muito curto para que toda população tivesse conhecimento do certame.

Ainda segundo o vereador, ele não está pedindo o cancelando do processo seletivo, mas que o certame seja readequado, “porque da maneira que está se algum dos candidatos se sentir prejudicado e recorrer a Justiça certamente conseguirá anular o processo seletivo”, concluiu. 

A Prefeitura Municipal de Rio Bonito (PMRB) está realizando dois processos seletivos, um para a Secretaria Municipal de Obras e Serviços Públicos (Semosp), que estão com inscrições abertas até sexta-feira (24/02). Os interessados podem se inscrever na própria Secretaria de Obras, no Centro Administrativo da PMRB, na Praça Cruzeiro. As provas serão aplicadas no dia 07 de março. 

O outro é para Secretaria de Promoção Social. As inscrições foram abertas, hoje, e já se encerram amanhã. As inscrições estão sendo realizadas no Centro de Referência da Assistência Social (CRAS), localizado na Rua Major Bezerra Cavalcante, nº 654, no Centro (onde era a base do SAMU). As provas serão aplicadas já na próxima sexta-feira (24/02), no Colégio Municipal Maurício Kopke, no Centro.

"Solandiocão" é o mal que prejudica o Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Rio Bonito

Flávio Azevedo
A assembleia que representa os cerca de 3 mil servidores.
Nessa segunda-feira (20/02), além da confirmação da greve dos profissionais de Educação a partir de 06/03, também foi para as mídias sociais a assembleia do Sindicato dos Servidores Municipais de Rio Bonito (Sinsmurb), que mais uma vez teve como pauta o Instituto de Previdência desses servidores. De 2.036 mil efetivos e 900 inativos, cerca de 50 compareceram. Uma assembleia com muito palavrório e intenções variadas para tratar de um único motivo. Diante de tanto que se fala do Instituto de previdência dos Servidores Municipais de Rio Bonito (Iprevirb), eu decidi anotar algumas impressões sobre o tema.

O Iprevirb é um problema desde a sua criação. Estamos falando de 2002, quando a então prefeita Solange Almeida não aportou os R$ 5 milhões que deveria ter aportado no Instituto (e nenhum servidor disse nada). O tempo passou, ela saiu e entrou Mandiocão, que entre 2005 e 2012, segundo o vereador Humberto Belgues, fez oito parcelamentos e não cumpriu nenhum (e nenhum servidor disse nada). 

Em dezembro de 2013, porém, acontece uma das maiores aberrações da história política de Rio Bonito. A prefeita, aquela que ficou devendo R$ 5 milhões em 2002, de volta a Prefeitura de Rio Bonito, precisando gerar emprego para acomodar seus simpatizantes, arquitetou e executou um golpe no Iprevirb. Ela destituiu a diretoria que contava com dirigentes eleitos e colocou servidores nomeados por ela (e nenhum servidor disse nada). Em 2015 houve novo bote, na fatídica reunião itinerante que ocorreu na Escola Municipal Albino Thomáz de Souza Filho (no bairro Monteiro Lobato). Dessa vez, eu vi uma ou duas pessoas reclamando! 

Penso que é justa toda e qualquer manifestação do servidor sobre o Iprevirb, mas atualmente está nítido que existe uma ação orquestrada pelo poder Executivo. O que causa estranheza é que se o Executivo deseja fazer mudanças no Instituto, por que não preparar nova Lei em conjunto com a categoria e submetê-la a apreciação da Câmara Municipal? Encaminhada a tal Lei para o Legislativo, caberia ao servidor o papel de lotar as dependências da Câmara para cobrar a aprovação Legislativa.

O que está nítido em todo esse imbróglio é o que acontece em quase todos os problemas de Rio Bonito: na ânsia de proteger prefeitos irresponsáveis, as pessoas preferem acusar outros atores. Estamos falando de pessoas que não são de todo inocentes. Entretanto, pouca gente quer reconhecer a culpa daqueles que governaram a cidade nos últimos 25 anos e tiveram ação direta sobre essa questão. Se você ainda não sabe quem é o culpado pelos problemas do Iprevirb, eu te apresento: “Solandiocão Almeida Antunes”. 

Vejo gente falando dos super salários de diretores do passado, falam do volume de cargos da atual diretoria (chamado também de trem da alegria), mas o fato de que tudo isso aconteceu com a bênção dos prefeitos que há 25 anos se repetem poucos querem enxergar. Nessas discussões sobre o Iprevirb, os R$ 200 milhões de dívida do Instituto, que nascem em 2002 não é comentado. Os parcelamentos que não foram pagos por Mandiocão também são convenientemente esquecidos. 

Não há como contestar que o golpe de 2013 foi uma ação direta da ex-prefeita sobre o Iprevirb. Também não há como contestar que o atual prefeito arquiteta um golpe, mas percorrendo outros caminhos. Enquanto ela atuou na calada da noite, ele usa a massa de manobra. Concordando ou não com o golpe de 2013, o que era aberração ganhou configuração legal, foi aprovado pela Câmara de Vereadores, o caminhão de cargos está dentro de um arcabouço funcional e só é possível desmontar isso tudo de forma legal e não na marra! Outro caminho seria recorrer ao Judiciário e aos serviços de um Siro Darlan ou de um Napoleão, como aconteceu em duas situações recentes em nossa cidade.

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Vereadores de RB pedem que Marcos Abrahão busque recursos da UPA

Flávio Azevedo
Na última sexta-feira (11/02), eu acompanhei um encontro de cinco vereadores de Rio Bonito com o deputado estadual, Marcos Abrahão (PT do B). O objetivo foi tratar de recursos que o governo do estado deve a Prefeitura de Rio Bonito (repasse para a UPA da ordem de R$ 6 milhões). Depois das minhas postagens sobre o encontro, um arranca rabo passou a existir na cidade, porque algum mal intencionado divulgou a notícia que vereadores e Marcos Abrahão estavam se juntando para tirar Mandiocão da Prefeitura. O que foi combinado no encontro é que no próximo dia 07/03, o deputado vai oficialmente a Câmara de Vereadores dialogar sobre as pendências do Estado com o município.

Aos politiqueiros de plantão, eu gostaria de destacar o seguinte: Mandiocão só sai da Prefeitura se ele quiser. Está nítido que assim como aconteceu com a ex-prefeita Solange, que tinha um Napoleão pedindo por ela e a manteve no cargo até o término do mandato; o prefeito Mandiocão também conta com a simpatia do poder Judiciário. Aliás, se a tal liminar que está tramitando no Tribunal de Justiça do Rio, fosse ser julgada por um tribunal da Suécia ou da Noruega, eu até acreditaria que poderia haver um resultado contrário ao prefeito, mas quem vai julgar é o mesmo Tribunal que já decidiu a favor dele duas vezes, apesar dos pesares.

Então, se você é simpatizante de Mandiocão, fica frio! Ele vai até 2020. Se você não é simpatizante de Mandiocão, sinto muito, ele vai ficar até 2020! O Judiciário já decidiu que tem preferência por ele, decisões no plantão Judiciário, durante a madrugada, foram favoráveis a ele; as decisões em horário de expediente, também foram pró Mandiocão, então esqueçam! O recado que o Judiciário está nos dando desde que esse assunto chegou ao Tribunal de Justiça do Rio é o seguinte: “Deixa o Homem Trabalhar!”.

Servidora Nelma Sá externa anseios de toda uma categoria profissional

Flávio Azevedo
Eu admiro a fibra, o ativismo, a disposição da minha amiga Nelma Sá. Na última assembleia de profissionais de Educação, no dia 15/02, eu precisa de alguém que falasse pela categoria, sem ser professor. Alguém que falasse com a alma, com coragem, chamei Nelma e meu palpite de jornalista não estava errado. Ela me deu um belo depoimento! Fala Nelma Sá!