domingo, 21 de dezembro de 2014

Cerâmica Marajó é campeã do Indústria e Comércio de Futsal 2014

Flávio Azevedo 
O primeiro tempo da final feminina foi morno, mas a segunda etapa foi eletrizante.
A Cerâmica Marajó é a grande vencedora do Campeonato Municipal de Futsal da indústria e Comércio de 2014, categoria feminina. A partida decisiva aconteceu nesse sábado (20/12), no Ginásio Antônio Figueiredo, no Rio Bonito Atlético Clube (RBAC), que recebeu um grande público. A equipe venceu a Sport House pelo placar de 5x2 numa partida que teve tempos distintos. O começo da Cerâmica Marajó foi inseguro, nervoso e a Sport House aproveitou a oportunidade para fazer 1x0 com a goleira Lúbia Fernandes, que usou o seu potente chute para abrir o marcador. O jogo seguiu morno, a Marajó não se encontrava e a Sport House não soube aproveitou para ampliar o marcador.

Na volta para o segundo tempo, o jogo mudou e ganhou ares de final de campeonato. O cuidado e respeito ao adversário ficou no vestiário e em poucos minutos, com gols da decisiva Samara; e da incansável Verônica, a Cerâmica Marajó já vencia por 3x1. Numa desatenção da Marajó, Suelen aproveitou e marcou o segundo gol da Sport House. A mudança no marcador acordou o torcedor. A Sport House tentou reagir, mas os contra ataques da Marajó foram fulminantes: Samara e Marcela marcaram e definiram o marcador: 5x2.

O treinador da Sport House, Ricardo Brito, reconheceu a superioridade da equipe adversária, mas enalteceu a campanha feita pelo seu grupo. “A nossa equipe chegou a essa final invicta, mas encontrou um grupo experiente, que também veio com vontade e, agora é parabenizar as vencedoras e treinar para ficarmos com o título em 2015”. Para Fernanda Bessa, uma das atletas mais experientes do time, o que faltou foi entrosamento.
– Elas jogam junto há muito tempo e nós só jogamos quando chega o campeonato. Hoje, também foi um dia em que não tivemos sorte na partida – disse Fernanda que também falou sobre o apagão que Sport House sofreu no segundo. “Elas se aproveitaram desse momento, viraram o jogo e venceram a partida”.
A Marajó ficou com o título da competição.
Na Cerâmica Marajó, a predestinada artilheira, Samara Salgado, que marcou 14 gols ao longo da competição e foi decisiva nos jogos finais – ela fez três gols na decisão e dois na semifinal – disse que estava realizada com a conquista do seu time e com a sua marca pessoal de artilheira da competição. Samara comentou que a derrota para o Sport House na primeira fase estava entalada e isso foi determinante para a vitória contra elas. Ela também comentou a irregularidade da Marajó na competição.
– Nós entrávamos nas partidas com a sensação de que poderíamos vencer a qualquer momento. Na fase de classificação a nossa equipe entrou de salto alto em alguns jogos. O nosso último treino não foi bom, mas era um jogo decisivo, fomos para o tudo ou nada e conseguimos ser campeãs – disse Samara.

Já o treinador Júlio César Freitas, o Cabeça, disse que “ganhar é sempre bom e a equipe da Marajó está acostumada a vencer”. Ainda segundo o treinador, a fama de equipe vitoriosa foi a principal responsável pela irregularidade do time ao longo da competição.
– No vestiário eu conversei com elas que por estarem muito acostumadas a vencer, elas colocaram na cabeça que poderiam ganhar a qualquer momento. Perdíamos por 1x0 e acredito que elas tenham assimilado isso. Eu também disse que não adianta ficar perguntando “por que não fomos campeãs?”. Assim, elas retornaram para o segundo tempo com outra disposição, botaram a bola no chão, jogaram o que sabem e venceram dando espetáculo – frisou Cabeça.

Artistas do espetáculo 
A Sport House foi a melhor equipe durante toda competição, chegou a final invita, mas por detalhes acabou ficando com o vice-campeonato.
A Cerâmica Marajó foi campeã jogando com Mirela, Samara, Verônica, Salsicha e Marcella. Fabiane, Kerla, Jaqueline, Camila, Thuane, Tainá, Pâmella e Daniela. A equipe é treinada por Júlio César Freitas, o Cabeça.

A Sport House jogou com Lúbia, Maria, Fernanda, Letícia e Tuane. Suelen, Monielen, Franciele, Luciana, Keila, Tiffany e Gabriela. A equipe é preparada pelo treinador Ricardo Brito, que é auxiliado por Welington Oliveira.

A arbitragem foi de André Luiz Carpitero, Jerônimo de Almeida e a anotadora foi Cláudia Batista.

sábado, 20 de dezembro de 2014

Conheça as campeãs do Indústria e Comércio de Futsal 2014

Flávio Azevedo
A Cerâmica Marajó conquistou o título do Indústria o Comércio de 2014.
O Grupo de Mídias O Tempo cumprimenta as campeãs do Campeonato Municipal de Futsal da Indústria e Comércio de 2014.
Samara Salgado, além de conquistar o título da competição também foi artilheira do campeonato com 14 gols.
Marcela
Mirela, revelação do Campeontato
A goleira, Mirela ganhando, com justiça, o troféu de revelação do Indústria e Comércio de 2014. Esse quinteto é que seria chamado de "equipe titular" da Cerâmica Marajó.  

Monique ou Salsicha
Verônica






O técnico da equipe, Júlio César Freitas, o Cabeça.


Conhecendo as demais atletas da Cerâmica Marajó. quelas que estão no banco e quando entraram deram conta do recado.

Camila

Daniela











Essa é a 4ª conquista que a Cerâmica Marajó comemora no Indústria e Comércio de Futsal.

Fabiane Balbino

Jaqueline Silva

Kerla Susan Freitas

Pâmella Flores

Tainá Miranda

Thuane Mello fecha o time de meninas campeãs do Indústria e Comércio de Futsal.

Eloin e MGU garantem terceiro lugar do Indústria e Comércio de Futsal

Flávio Azevedo

A equipe da Eloin aguardando para receber o troféu de terceiro lugar.
Eloin Empreendimentos Imobiliários e MGU conquistaram a terceira colocação do Campeonato Municipal da Indústria e Comércio de 2014. A Eloin, pela categoria feminina; e a MGU, pelo masculina. O adversário da Eloin foi a Shekinah. Já a MGU enfrentou um desfigurado Boteco do Cruzeiro. As partidas aconteceram nessa sexta-feira (19/12), no ginásio Antônio Figueiredo, no Rio Bonito Atlético Clube (RBAC). Na partida da noite, as atletas da Eloin entraram em quadra como se estivessem disputando a grande final da competição e fizeram a melhor apresentação delas no campeonato. A vitória veio de virada pelo placar de 4x1. Destaque para a jogadora Aline, que marcou três gols. Rosiane fez o outro gol da Eloin. Jéssica marcou o gol solitário da Shekinah.

De acordo com Jaílson Fágner, treinador da Eloin, as meninas do seu time, a maior parte da localidade de Lavras, são muito novas e participaram dessa edição do Indústria e Comércio para pegar experiência.
– São meninas que até esse ano disputaram os Jogos Estudantis. Estamos falando de meninas de 15 e 16 anos. A nossa equipe só possui duas veteranas. As demais têm pouca idade e, logicamente, menor experiência. Mas a nossa proposta era exatamente essa, pegar experiência esse ano, sentir o clima da competição e retornar em 2015 para brigar pelo título – destacou o treinador.

Categoria masculina 
A equipe da MGU celebra a conquista do terceiro lugar da competição.
No jogo de fundo, talvez por conta de ser uma partida de menor importância para alguns torcedores, atletas e dirigentes, a disputa foi aberta, os atletas apresentaram um futebol sempre vertical e recheado de jogadas de efeito. A MGU venceu por 12x8. Destaque para Puzinho. Ele marcou cinco gols, se isolou na artilharia com 20 gols, e ainda pediu música no programa Flávio Azevedo que vai ao ar na próxima segunda-feira (22/12). Carlos (2), Wemerson (2), Welington, Pupu e Wendel completaram o marcador para a MGU. Os gols do Boteco do Cruzeiro foram marcados por Neto (3), Matheus Cabral (2), Padeiro e Ticiano.

O treinador da MGU destacou o espírito de equipe do grupo, comentou que os fatos que ocorreram na partida MGU x Vip Tur do último sábado (13/12) devem ser esquecidos, enalteceu a dedicação do seu grupo; e fez um apelo para que a Prefeitura termine as obras do campo de Nova Cidade que estão paralisadas.

– Na verdade o que fizeram foi uma covardia, porque quando tinha o campo anterior dava para jogar futebol, mas agora não tem nada. O nosso prazer é jogar futebol e esse gosto foi interrompido! Eu não sei o que aconteceu. Eu só sei que começaram a mexer e não terminaram. Ou começa e termina ou não começa. Todo trabalho tem que ter começo, meio e fim e isso não aconteceu na obra do nosso campo. Que ano que vem terminem as obras do campo e que nós tenhamos de volta as competições, não só de salão, mas também de campo, porque nós merecemos isso – disse o treinador.

A grande final da competição acontece nesse sábado (20/12), também no Ginásio Antônio Figueredo, no Rio Bonito Atlético Clube, a partir das 16h. Brigam pelo título, Ceramica Marajó x Sport House e Zaniboni Seguros x Vip Tur.

domingo, 14 de dezembro de 2014

Definidos os finalistas do Indústria e Comércio de Futsal

Flávio Azevedo 
Muita confusão no jogo entre Vip Tur e MGU marcaram a semifinal da competição.
Zaniboni x Vip Tur e Cerâmica Marajó x Sport House. Esses são os confrontos que irão decidir quem vai ficar com o título do Campeonato Municipal de Futsal da Indústria e Comércio 2014, nas modalidades, feminino e masculino. A Decisão acontece às 16h do próximo sábado (20/12), no Ginásio Antônio Figueiredo, no Rio Bonito Atlético Clube (RBAC). A expectativa é que as arquibancadas estejam lotadas. Um dia antes, na sexta-feira, ás 20h, também no RBAC, os confrontos, Eloin Empreendimentos Imobiliários x Shekinah e Boteco do Cruzeiro x MGU; decidem os terceiros colocados.

Para chegar a final, a Sport House passou com tranquilidade pela Eloin. O placar de 5x1 mostrou bem a facilidade que a Sport House encontrou. Até a goleira Lúbia marcou, num lance inusitado no último minuto da partida. O gol foi de cabeça, numa bola alçada na área. Ao bom time da Eloin, formado por meninas do bairro de Lavras, fica a nítida impressão que com investimentos, treinamentos e, sobretudo, com infraestrutura, essas meninas podem chegar mais longe. No Sport House, que chega invicto e sobrando para enfrentar a Cerâmica Marajó, o destaque foi os três gols de Tuane, um dos destaques da equipe. 
Sport House e Eloin Empreendimentos Imobiliários fizeram uma partida tranquila com amplo domínio do Sport House.
O adversário da Sport House, a tradicional equipe da Cerâmica Marajó, eliminou na prorrogação, a forte equipe da Shekinah. A cerâmica começou dominando, fez 2x0, deu mostras que passaria com facilidade as adversárias, mas a partida terminou em 4x4 no tempo regulamentar. Muita adrenalina na prorrogação, vencida pela Cerâmica Marajó por 6x5. Logo no início do tempo extra, a artilheira Samara, que já havia feito um dos gols no tempo regulamentar, abriu o marcador (5x4). A Shekinah correu atrás e empatou. Faltando 50 segundos para o término da prorrogação, a predestinada Samara, de cabeça, colocou a Cerâmica Marajó na final da competição (6x5).

Semifinal masculina

Ruan vibra virar o marcador para a Vip Tur. 
Na categoria masculina, dois jogos distintos. Entre os dois confrontos é impossível não destacar a guerra que foi Vip Tur e MGU, jogo disputado até os últimos segundos. A partida contou com belos gols, lances plasticamente belíssimos, jogadores inspirados, goleiros fazendo grandes defesas e torcedor inflamado. O jogo, porém, também contou com catimba, reclamações direcionadas a arbitragem, atitudes condenáveis das torcidas e comissões técnicas, entre outras coisas que acabaram tirando o brilho do espetáculo. Destaque para o talento dos quartetos, Renan, Bernardo, Ruan e Lucas Pintas (Vip Tur); e Max Sandro, Pupu, Puzinho e Carlos (MGU). Quando esses atletas estiveram em quadra protagonizaram belíssimos lances e valorizaram o espetáculo. Nos últimos segundos, o jogo continuava aberto e acabou sendo decidido pelos lances livres, porque ambas as equipes estouraram o limite de faltas (5).

O jogo 
Renan, jogador da Vip Tur, é um dos jogadores mais regulares da competição. É uma espécie de Dario Conca, por ter habilidade, inteligência, disciplina e nunca se envolver em confusão e/ou polêmica com a arbitragem.
A Vip Tur iniciou arrasadora, marcando sobre pressão, rapidamente fez 2x0 e engolia a MGU. A equipe de Nova Cidade, porém, teve paciência para entender as jogadas do adversário, marcar, iniciar a reação e virar o marcador para 5x4. A Vip Tur acabou ficando meio perdida, a comissão técnica também estava desnorteada e a MGU crescia no jogo.

Veio então o lance derradeiro, que embora pareça uma coisa boba, acabou desequilibrando a MGU. Uma falta cometida sobre um jogador da Vip Tur, irritou o auxiliar técnico da Vip Tur, Diego, que invadiu a quadra para tirar satisfação com o atleta da MGU. O tempo fechou e provocou o torcedor da MGU, que já é conhecido pela falta de equilíbrio em muitas outras competições. A comissão técnica acabou entrando na pilha. Foram expulsos, o técnico Jordan e o jogador Diorle (MGU); e o auxiliar, Diego (VIP Tur).

Os nervos, porém, já estavam alterados; o torcedor inflamado; e a falta de policiamento, uma constante reclamação ao longo da competição, começou a ser um problema. Faltando poucos segundos para o fim, a VIP Tur vencia por 6x5 e o árbitro viu uma falta para a MGU. Como o limite de faltas já estava estourado, o lance era um tiro livre, que foi convertido por Max Sandro. O lance enlouqueceu o torcedor. Quando a decisão parecia caminhar para os pênaltis, o arbitro viu falta da MGU. Novo tiro livre, também convertido, mas por Lucas Pintas, que recolocou o carrossel azul novamente a frente do marcador: 7x6.

Outro lance decisivo 
Equipe da organização do campeonato e funcionário do clube enxugam a quadra.
A decisão esquentou o clima nas arquibancadas. Indignada com a arbitragem, parte da torcida da MGU invadiu a quadra e quem não entrou jogava copos e latas de cerveja na quadra, na mesa de anotações e o jogo foi paralisado. Enquanto jogadores, comissão técnica, seguranças e arbitragem; prestavam atenção no torcedor da MGU, um balde de gelo foi jogado no lado oposto da quadra. A ação protagonizada pelo torcedor, Ciraldo Júnior, pai de um dos atletas da Vip Tur, merece todo tipo de condenação, não é o que se espera do torcedor, mas serviu para serenar os ânimos, uma vez que durante os cerca de 15min que a organização levou para secar a quadra, o torcedor se acalmou e o policiamento (duas viaturas) chegou.

Zaniboni x Boteco

Na partida entre Zaniboni Seguros e Boteco do Cruzeiro, a vitória de 4x2 do veterano time da Zaniboni credencia a equipe como favoritíssima ao título da competição, sobretudo por reunir atletas experimentados do futebol de Rio Bonito. O grande problema da equipe Zaniboni são as constantes reclamações. O elenco conta com conhecidos “chorões” do futebol riobonitense, uma característica que irrita a arbitragem e pode ser decisiva numa final. Se o carrossel azul está de volta, a Zaniboni sobra no quesito experiência. Aos caíram na semifinal ficou nítido que a eles faltou nervos controlados e fundamentos de Futsal (carrossel).

A goleadora Samara e a veterana, Kerla; se destacam na equipe da Cerâmica Marajó.
Nota da Redação: abrimos aqui um apêndice para chamar de “irresponsáveis”, aqueles que nos governam e que cuidam da nossa Segurança. Não é a primeira vez que uma partida de futebol, sempre regada a muita paixão e cerveja, escreve uma página triste na história de esportiva de Rio Bonito. Tudo isso porque os nossos políticos e autoridades policiais acham que as nossas competições são procissões ou algum tipo de celebração religiosa.

Os eventos lamentáveis presenciados durante a partida Vip Tur e MGU, no Ginásio Antônio Figueiredo, devem ser atribuídos diretamente a nossa administração municipal. Esses irresponsáveis e incompetentes só darão atenção a esse assunto, o dia que um torcedor, um dirigente, um árbitro ou um atleta, morrer violentamente em quadra ou em campo.

As nossas autoridades insistem em achar que a nossa cidade é formada por “irmãs carmelitas” e “monges franciscanos”. E caso você, que está lendo essa colocação, está discordando da nossa reflexão, saiba que você é igual as nossas autoridades. Ou seja, se recusa a aceitar que a união dos elementos, paixão e cerveja, liberta as nossas tendências mais primitivas.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Definidas as semifinais do Indústria e Comércio de Futsal de 2014

Flávio Azevedo 
Terminada a primeira fase do Campeonato Municipal de Futsal da Indústria Comércio, os confrontos das semifinais estão definidos. A partir das 14h do próximo sábado (13/12), se enfrentam Sport House x Eloin (feminino); MGU x Vip Tur (masculino); Cerâmica Marajó x Shekinah (feminino); e Boteco do Cruzeiro x Zaniboni (masculino). Se na modalidade feminina, os jogos já estavam definidos, na masculina era necessário saber os resultados dessa quarta-feira (10/12), para conhecer a ordem dos confrontos, uma vez que os quatro times já entraram em quadra classificados.

Na primeira partida, uma das melhores da competição, o Boteco do Cruzeiro venceu a badalada Vip Tur por 7x5. Destaque para as grandes atuações do goleiro Matheus Guimarães; e do incansável Padeiro. A dupla acabou como jogo e o torcedor do Boteco nem percebeu que Fernandinho e Guigui, duas estrelas da companhia, não estavam em quadra. O goleiro conseguiu uma façanha que ele estava tentando há várias rodadas: marcar um gol. A novidade do Boteco foi Matheus Cabral. O jogador saiu do banco para fazer dois gols em menos de dois minutos em dois lances seguidos. Os gols deram a tranquilidade que o Boteco precisava e decretou a desanimação da Vip Tur, que jogou desfalcada de um dos seus pontos de equilíbrio, o jogador Bernardo.

O que se percebeu da Vip Tur nessas duas últimas rodadas é que a equipe perdeu a sua principal característica: a precisão. O time não foi cirúrgico nas finalizações. O artilheiro Ari Quintanilha, por exemplo, não esteve numa noite feliz. Por outro lado, apesar dos placares elásticos e do Futsal mais bem jogado até aqui, a Vip Tur nunca teve vida fácil diante dos adversários, inclusive, quando enfrentou as equipes mais frágeis. Sobretudo no primeiro tempo, os jogos sempre eram parelhos, mas a precisão do “carrossel azul” era mortal. No segundo tempo, quando a equipe encaixava o jogo, a goleada vinha naturalmente.

Padeiro desequilibrou para o Boteco.
A preocupação é que diante das equipes mais qualificadas, exatamente aquelas que a Vip Tur terá que enfrentar nas fases decisivas, o carrossel emperrou. Em entrevista a nossa reportagem, o jogador Guilherme Duarte, o mais experiente do grupo, deixa claro que a equipe está apresentando um futebol previsível.
– Além de já entrarmos em quadra classificados, termos desfalques por lesão ou cartão, ainda existe a questão dos adversários entrarem contra o nosso time sempre pensando em dar um gás a mais, porque a Vip Tur ganhou status de “a equipe a ser batida”. Contra a Zaniboni, eles jogaram mais. Hoje, porém, o goleiro deles (Matheus Guimarães) pegou tudo. O que está acontecendo é que os adversários já entenderam a nossa forma de jogar, estão marcando os nossos melhores jogadores e precisamos trabalhar essa questão – disse Guilherme.

Os gols do Boteco do Cruzeiro foram marcados por Padeiro (2), Matheus Cabral (2), Neto, Diego Siqueira e Matheus Guimarães. A Vip Tur descontou com Reginaldo (2), Lucas Pintas, Ari Quintanilha e Guilherme Duarte.
     
Jogo de fundo 
O camisa 10 Max Sandro, da MGU procura chegar a artilharia da competição.
As declarações do treinador e líder do Zaniboni Seguros, Marcos Zaniboni, deixa claro que apesar de estar classificado, ele não digeriu bem a derrota e a passividade do seu time no jogo contra a MGU, onde a equipe de Nova Cidade venceu pelo placar de 9x4 e sobrou em quadra. O placar foi justo e a MGU venceu com tranquilidade e autoridade.
– Enfrentamos o campeão da última edição do Indústria e Comércio num jogo atípico. Os nossos atletas estavam muito cansados, mas o que eu acho é o seguinte: o meu time não pode jogar uma partida de Futsal inteira e cometer uma falta no jogo todo... Nós não estamos na missa, isso aqui é um jogo de futebol... O meu time entrou dormindo. Nós também tivemos uma ausência que é uma liderança importante, Flavinho, mas não podemos esquecer que a sequência de jogos, por conta de calendário, foi desumana com os jogadores. Não queremos tirar o mérito do time que nos venceu, uma equipe que chega como favorita – ponderou Marquinhos, destacando que “uma coisa é QUERER GANHAR, outra coisa é querer ganhar, mas no próximo jogo eu te garanto: a postura será outra”.

Para a MGU, marcaram Welington (3), Max Sandro (3), Wemerson, Pupu e Rodrigo. Para a Zaniboni os gols foram de Paleta (2) e Murilo (2). O destaque da partida vai para a corrida pela artilharia onde já figura nome do goleador Max Sandro (MGU), que tem 10 gols; e Murilo Oliveira (Zaniboni), que chegou a 12 tentos. É importante ressaltar que na corrida pela artilharia, o grande prejudicado foi Fernandinho (Boteco do Cruzeiro). Autor de 11 gols, ele não jogou contra a Rio Ita, que não compareceu ao compromisso; e também ficou de fora da partida contra a Vip Tur, onde jogam os concorrentes pela artilharia, Ari Quintanilha, que com 16 gols é o artilheiro da competição; e Lucas Pintas, um dos vice artilheiros com 13 gols.

Artilharia

A primeira fase do Campeonato Municipal de Futsal da Indústria Comércio termina com a MGU e Boteco do Cruzeiro, na liderança com 19 pontos. No critério de desempate, as equipes ficaram iguais no número de vitórias (6); e no confronto direto, uma vez que empataram em 5x5 na primeira rodada da competição. O próximo critério de desempate é o saldo de gols, onde a MGU vence o Boteco por 23 x 17. O MGU marcou 46 gols e levou 29. Já o boteco, marcou 54 e levou 31. Empatados na segunda colocação, com 18 pontos, estão Vip Tur e Zaniboni. Como no confronto entre as duas equipes, a Zaniboni venceu (3x1), a ela é dada a terceira colocação, ficando a Vip Tur no quarto lugar.

O ataque mais positivo da competição nessa primeira fase é o da Vip Tur. A equipe balançou as redes adversárias 65 vezes. Também é da Vip Tur a melhor defesa: 26 gols sofridos.

Cassação de prefeita e crise financeira afundam Rio Bonito

Angélica Fernandes

A prefeita Solange Almeida no estúdio da Super Rádio Tupi 1340 AM Leste Fluminense.
Envolvida em um processo de cassação, após investigação do Ministério Público Federal no meio deste ano, a prefeita de Rio Bonito, Solange Pereira, enfrenta problemas com sua administração no município. O hospital regional Darcy Vargas, que possui convênio com a prefeitura, acusa o atraso de repasse de verba do órgão público. A dívida, segundo a procuradoria da unidade, está em R$ 3 milhões.

A prefeita admitiu que foi um ano difícil para os cofres públicos, mas garantiu empenho para solucionar os problemas financeiros. De acordo com o procurador do hospital Darcy Vargas, Leonardo Martins, a prefeitura deve dois meses de recursos próprios — no valor total de R$ 872 mil — para a manutenção do pronto-socorro. Além desta dívida, falta ainda o repasse de verba estadual e federal, que são empregados principalmente nos setores de oncologia e CTI.

“Tivemos que abrir mais atendimentos com convênios particulares para criar um fundo próprio do hospital. É com este dinheiro que estamos comprando remédio para a farmácia. Se a direção não fizesse isso, não teria medicamento para a população”, explicou Leonardo. Sem o pagamento da prefeitura, a unidade se vê diante de outro problema que impede a ampliação do hospital.

“Tínhamos um projeto de ampliar o CTI, pois hoje operamos com 60 diárias além da nossa capacidade, mas sem dinheiro, não tem como fazer nada”, completou. No início da semana, a diretoria do hospital se reuniu com a cúpula da prefeitura para tentar um acordo de pagamento. Segundo a prefeita, parte da dívida será paga nesta quarta-feira. 

“O estado reduziu uma parte do repasse de verba para oncologia, mas o município atende quase o dobro de sua capacidade atualmente. Para suprir este setor, que recebe pacientes de outras cidades, foi preciso utilizar mais do nosso orçamento, e isso acabou gerando o problema. Mas a Câmara vai liberar amanhã (hoje) o pagamento de parte desta dívida”, garantiu Solange. 

O atraso de repasse da prefeitura também se reflete no pagamento dos mais de 400 funcionários do hospital. O salário que era para ser pago no dia 5 deste mês, ainda não saiu. “Estamos atrasando o salário desde o início do ano por conta desta irregularidade no pagamento do município”, apontou o procurador, que espera novas parcerias para a unidade hospitalar: “Estamos abertos ao apoio de outras entidades para ajudar o hospital”.

Sem gasolina nem manutenção, frota é mantida na garagem 

Além da crise no Hospital Darcy Vargas, Rio Bonito também enfrenta problemas com seus carros públicos. As viaturas da Guarda Municipal estão cada vez mais escassas nas ruas do município. O motivo é um problema burocrático no convênio com o posto de gasolina. “O posto suspendeu o abastecimento porque tivemos um problema no processo de pagamento, mas já estamos acertando”, declarou a prefeita Solange.
Para ela, outro problema que atrapalha a circulação das viaturas é a idade da frota.

“Nossos carros são muito antigos, desde 2007. Temos vários veículos parados porque não adianta ficar gastando com manutenção. Toda hora um quebra. Para o ano que vem, quero comprar, pelo menos, três carros novos para guarda”, completou a prefeita. Nesta terça, equipe do DIA esteve no depósito da prefeitura, onde ficam as viaturas públicas, e constatou dezenas de carros parados. “Estamos enfrentando um ano difícil. O PIB (Produto interno bruto) não cresceu ,a arrecadação do município foi a mesma, mas o salário mínimo aumentou”, finalizou Solange.

MP apontou contratação irregular 

O processo de cassação da prefeita de Rio Bonito aguarda execução da Justiça Federal. Na investigação do Ministério Público foram comprovadas irregularidades na contratação de transporte para a rede de ensino durante o primeiro mandado de Solange (2001 a 2004). A prefeita recorreu da decisão e aguarda recurso. “Tenho a consciência limpa de que não desviei dinheiro público”, desabafou Solange.

Se a sentença for executada, a prefeita terá suspensão dos direitos políticos por seis anos. No lugar dela, assumirá o vice-prefeito Anderson Tinoco, que rompeu com Solange em fevereiro. “Não falo mais com ela e nem tenho acesso à prefeitura”, declarou. “Se ele assumir, desejo sorte”, completou Solange.

Fonte: O Dia

domingo, 7 de dezembro de 2014

Rio Bonito: a cidade do “Passa ou Repassa”

Flávio Azevedo 
Ao discutir as inúmeras aberrações que são feitas com as verbas da Educação em Rio Bonito, nós podemos falar da mais recentemente: um recurso da ordem de R$ 830 mil que foi desviado da Educação para o Instituto de Previdência do município (IPREVIRB). O amigo se lembra dessa notícia? Não? Pois é. Aconteceu! O dinheiro estava destinado à reforma de escolas do Ensino Fundamental, mas em nome dos velhinhos a Câmara aprovou. Essas escolas são aquelas unidades que estão em decadência desde o governo passado e estão “cada vez pior”.

Aliás, ao invés de “Cidade Risonha”, o apelido de Rio Bonito deveria ser “Passa ou Repassa”, porque esses governos vivem passando e repassando as mazelas que eles mesmos criam ano após ano. A ‘cagada’ lá do IPREVIRB, por exemplo, começou com a senhora Solange Almeida, quando ela não depositou, na época da fundação do Instituto, os valores necessários. Segundo fontes, R$ 8 milhões. O prefeito Mandiocão parcelou a dívida herdada da sua antecessora a perder de vista; não pagou as parcelas como deveria; fez novo parcelamento; e passou a bola para a sua sucessora, que segue fazendo, também no IPREVIRB, novas cagadas que irão estourar na conta do próximo prefeito. Fosse eu servidor público ativo ficaria preocupado!

Se falarmos do Hospital Regional Darcy Vargas (HRDV), nos últimos 20 anos, a Prefeitura tem sido conivente com um monte de coisa esquisita que acontece por lá. Nenhum deles se preocupou em corrigir as claras deformidades daquela casa. Pelo contrário, como crianças que correm atrás de uma pipa estancada, Solange e Mandiocão vivem a correr atrás da direção do hospital, simplesmente porque sabem ser o HRDV uma fábrica de votos. Assim, a má gestão do dinheiro público que é aportado por lá continua e os evidentes indícios de coisa errada são varridos pra baixo do tapete do “larga isso pra lá”.

Mas voltando a Educação, não podemos esquecer que as sucateadas escolas de hoje não começaram a ficar nesse estágio em 1º de janeiro de 2013. Durante oito anos o prefeito Mandiocão fez praticamente nada por essas unidades. Todavia, muitas delas ele já herdou capengas. Ou seja, esses governos são sofríveis. Estamos falando de gestores que há mais de 20 anos travam uma disputa particular para saber qual deles é pior. O engraçado é que nesse revezamento a frente do município, quando eles passam o bastão para o outro, o sucessor sempre consegue superar a incompetência de quem lhe antecedeu.

O mais grave é que as opções de renovação, ou não nos inspira confiança, ou não representam a renovação que se dizem ser. Ou seja, estamos F... Errados e mal pagos! Como em meus textos o eleitor não pode ficar de fora, já que ele também tem uma cota de participação nesse cenário de horror, eu termino destacando que essa mesmice perversa que se repete há 20 anos é fruto da postura de um eleitorado que não se renova em suas perspectivas. Concluo parafraseando aquele conhecido slogan da TV Globo: “boquinha, a gente vê por aqui”! E as exceções são raras, muito raras!

PS: nesse “Passa ou Repassa” que se arrasta, quem leva a torta na cara somos nós!

Em 2014 Rio Bonito terá um Natal escuro

Flávio Azevedo 
Natal 2013: A Praça Fonseca Portela é a principal área pública de Rio Bonito.
Nas ruas de Rio Bonito, as pessoas me perguntam pela tradicional ornamentação de Natal. “Flávio, não vai ter nada?”. A minha resposta para esses esperançosos riobonitenses é que “pelo andar da carruagem, o Natal, uma data que é representada pelas luzes, pelo menos em Rio Bonito, será escuro, muito escuro”. Essa declaração é baseada nas notícias de que o município acumula dividas com fornecedores e prestadores de serviço; já anunciou que não vai pagar o “Abono Natalino” dos servidores municipais contratados (o que representa um impacto negativo importante para a balança comercial do município); já decretou férias coletivas para serviços que não são essenciais; entre outras coisas.

Natal 2013: O coreto da Praça Fonseca Portela
As fotos que vemos nessa postagem foram feitas na Praça Fonseca Portela e na Praça da Bandeira, no Natal de 2013, quando o município já estava sob o comando da atual gestão. Ano passado, a data não passou em branco. O curioso é que 2013 foi ano em que a Prefeitura foi encontrada com um suposto rombo (R$ 20 milhões). Contudo, houve a ornamentação de natal; os servidores contratados receberam o Abono de Natal (13º salário); e os professores que estavam em sala de aula, lecionando para o Ensino Fundamental, receberam um abono de R$ 1 mil cada um.

Natal 2013: A Praça Fonseca Portela sob outro ângulo.
Embora a declaração da chefe do poder Executivo seja de que a arrecadação do município não está se comportando conforme o esperado e que o país não conseguiu crescer em 2014, a expectativa é de que o Orçamento municipal feche em cerca de R$ 170 milhões, valor similar ao que foi alcançado em anos anteriores, quando os contratados receberam o seu Abono Natalino, a cidade recebeu ornamentação em suas praças, e não havia tanta reclamação de fornecedores e prestadores de serviço.

Natal 2013: Fachada da Prefeitura Municipal
A resposta para a célebre pergunta “CADÊ O DINHEIRO QUE ESTAVA AQUI?”, pode ser respondida com a afirmação de que estamos diante de uma administração que patina na falta de competência e, sobretudo, por estar atolada até o pescoço na movediça areia dos compromissos de campanha! De tudo que se tem ouvido o fim é: se Rio Bonito tem a pior gestão da sua história recente, é natural que a cidade tenha o pior Natal dos últimos anos! 

Natal 2013: a Praça da Bandeira ganhou ornamentação e a "Casa de Papai Noel", a preferida das crianças.
Fechamos esse texto destacando também, que a propalada redução de salário dos secretários municipais, uma iniciativa que teria o objetivo de economizar e foi muito celebrada por quem não sabe nada de política, não passou de um estratagema, um engodo, ou simplesmente, uma grande enganação, uma vez que foram criadas oito novas Secretarias, várias Assessorias Especiais (com remuneração igual a do secretário municipal); sem falar nos cargos que foram criados no Instituto de Previdência dos Servidores Municipais (IPREVIRB). Se isso tudo isso for colocado no bico do lápis o que se perceberá é que a despesa criada é muito superior a falsa economia proposta por essa enganosa redução salarial.
Natal 2013: Bosque da Bela Vista.

Jogadora de futebol aponta o esporte como ferramenta social transformadora

Flávio Azevedo 
O casal Kerla e Diego constituem uma história bonita do desporto e do futebol de Rio Bonito, principal responsável pela união da dupla.
O futebol também une as pessoas. Esse é o caso de Kerla Freitas e Diego Peixoto. Ainda muito novinha Kerla começou jogar futebol, uma das suas grandes paixões. Nesse meio ela encontrou outro apaixonado por esse esporte: Diego. Eles trocaram olhares, o coração balançou e a relação começou. A paquera virou namoro e o namoro virou casamento. “Certamente esse encontro aconteceu por conta do futebol”, disse Kerla em entrevista ao programa Flávio Azevedo, quando ela também falou sobre a sua carreira e a vida ao lado de Diego. “Um dia ele disse para eu ir ver um golzinho dele, eu fui vez, é claro; ele fez o gol, ofereceu para mim e tudo começou”.

A dupla, vencedora por onde passa, é destaque no futebol riobonitense; e exemplo de que o futebol e o desporto em geral tem o poder de aproximar pessoas, unir destinos e o principal: quando bem gerenciado ele é uma ferramenta social transformadora. Essa conclusão é da própria Kerla.
– Não fosse o futebol, eu acho que nós não estaríamos juntos. Nós nos conhecíamos, porque Diego estudou com o meu irmão, até que um dia as nossas estrelas brilharam e se encontraram. Certamente o nosso relacionamento só aconteceu por conta do Campeonato da Indústria e Comércio de Futsal. Já estamos juntos há nove anos e estamos construindo uma relação para a vida toda – conta a atleta que há anos integra a vencedora equipe da Cerâmica Marajó.

Na entrevista, Kerla acrescenta que o futebol ajuda a estimular a Educação, a disciplina, afasta o jovem das drogas, da ociosidade e deveria receber mais apoio do poder público, da classe empresarial e da sociedade em geral. “O futebol me proporcionou muitas histórias inesquecíveis e tenha certeza que ele é fundamental na minha vida”, disse a jogadora, que começou por incentivo de um primo e jogando na Serra do Sambê. “Comecei no futebol com 11 anos de idade, ainda no tempo da saudosa professora Angélica (Geca), que faleceu logo depois; também joguei com Simone Bandeira, Didi, Papinha, teve um grupo lá na Cidade Nova, bem no início, ou seja, tem muita história legal”.

sábado, 6 de dezembro de 2014

Proerd forma 200 crianças em Rio Bonito

Flávio Azevedo 
De acordo com os instrutores, 205 crianças foram formadas na solenidade.  
Em solenidade realizada no Espaço Ceccarelli, no Centro de Rio Bonito, cerca de 200 alunos foram formados pelo Programa Educacional de Resistência às Drogas (Proerd). O projeto, que acontecem Rio Bonito desde 2009, é realizado através de uma parceria entre a Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (PMERJ), que oferece os instrutores; e a Secretaria Municipal de Educação. 

O evento aconteceu na tarde dessa quinta-feira (04/12). No segundo semestre de 2014, o projeto foi ministrado para estudantes do 5º Ano das escolas, Duque de Caxias (Rio Seco), Castro Alves (Catimbau), Rômulo Tude (Boqueirão), Jaudet Curi (Rio Vermelho) e Dr. Astério Alves de Mendonça (Mangueirinha). Todos receberam certificado de conclusão do curso, cuja duração foi de 17 semanas.

De acordo com o instrutor PM, Elielton Pires, o projeto também promove um Concurso de Redação que na solenidade dessa quinta-feira premiou cinco alunos. O instrutor destaca que é importante a mobilização do poder público (Polícia e Prefeitura) na promoção do Proerd, mas afirma que as famílias precisam fazer a sua parte no processo Educacional, dando limites, atenção, sendo vigilantes e acompanhando o desempenho escolar dos seus filhos. “Agir de maneira diferente é entregar as crianças às drogas, a ociosidade e a violência”, frisou.


Foto: Secom/RB.