quarta-feira, 22 de novembro de 2017

CCR não vai atender a Intimação Fiscal da Prefeitura de Rio Bonito e bloqueio continua

Flávio Azevedo
Moradores mandaram fotos, hoje, mostrando que os bloqueios estavam no mesmo lugar.
O bloqueio da estrada que liga Jacundá a Mineiros, no 2º Distrito de Rio Bonito, seguirá no lugar. É o que garante a CCR ViaLagos, concessionária que administra a RJ – 124. A informação foi noticiada, nessa quarta-feira (22/11), pelo “Jornal de Sábado”, veículo de comunicação que circula na Região dos Lagos. O assunto tem gerado polêmica e está sendo acompanhado atentamente por boa parte da população fluminense.

Na última semana, a concessionária reconstruiu o bloqueio, porque motoristas usam a estrada para fugir da Praça do Pedágio. Nessa terça-feira (22/11), três dias depois da reportagem que publicamos sobre o bloqueio, a Prefeitura de Rio Bonito oficiou a concessionária com uma Intimação Fiscal pedindo a retirada do bloqueio em 24 horas.

De acordo com o “Jornal de Sábado”, a concessionária já definiu que a barreira será mantida. Em nota, a CCR ViaLagos explica que há um acordo judicial, ssinado em 1999, com a Prefeitura de Rio Bonito e por isso irá manter o bloqueio. 
A Concessionária CCR ViaLagos reitera o seu compromisso firmado, através do acordo judicial realizado com a Prefeitura Municipal de Rio Bonito nos autos do processo nº 2.467/99, que contempla a isenção do pagamento da tarifa de pedágio aos moradores de Mineiros e Jacundá, mantendo a estrada da localidade fechada ao tráfego de veículos, permitindo o livre acesso de pedestres, cavalos e ciclistas, conforme disposto no referido acordo. A Concessionária cumpre as determinações de contrato, de modo a garantir a prestação de serviços públicos de qualidade, reconhecida pelos usuários, e continua contribuindo para estimular ainda mais o desenvolvimento socioeconômico da Costa do Sol”.

Assunto tem gerado polêmica e está sendo acompanhado por boa parte da população fluminense. Nessa quarta-feira, seguidores nas nossas mídias mandaram fotos mostrando não haver nenhuma movimentação no local, numa demonstração que a concessionária não atenderia a Intimação Fiscal da Prefeitura.

Nessa terça-feira, o bloqueio também foi assunto na Câmara Municipal. Os vereadores apresentaram requerimento ao poder Executivo pedindo que o prefeito revogue, em caráter de urgência, o acordo celebrado entre Prefeitura e concessionária, em 01/12/1999. O requerimento também pede que a concessionária seja intimada a desbloquear a estrada que liga as localidades de Jacundá e Mineiros. 

O vereador Humberto Belgues (PSL) comentou que “o contrato é esdrúxulo, foi firmado há muitos anos e precisa ser revisto”. Ele acrescentou que “nos próximos dias, o prefeito deve rescindir o acordo de maneira unilateral” e frisou que “se a concessionária está preocupada com os seus lucros, a Prefeitura está preocupada em restabelecer o direito de ir e vir da população”.

Presa com carga de drogas que iria para Araruama

Flávio Azevedo
Policiais militares de Rio Bonito interceptaram na manhã dessa quarta-feira (22/11), Milena Gonçalves da Conceição, de 19 anos, com um grande carregamento de drogas e equipamentos eletroeletrônicos. De acordo com o registro feito na 119ª DP (Rio Bonito), ela havia acabado de descer de uma Van, linha Alcântara/Rio Bonito, no ponto da Rua Dom José Pereira Alves. Ela foi abordada enquanto se dirigia para a Rodoviária.

Feita a abordagem, os policiais encontraram na mochila da Milena, 835 pinos de cocaína de R$ 20,00, três rádios transmissores da marca Baofeng e duas bases de carregador. Aos policiais ela contou que pegou todo material no Complexo do Anaia, em São Gonçalo; e que seu destino seria Araruama, onde a o material seria entregue a uma mulher de nome Joyce. A detida também disse que receberia a quantia de R$ 300,00 pelo serviço.

Diante dos fatos, Milena foi conduzida, juntamente com o material apreendido, a 119° DP, onde foi autuada em flagrante delito conforme o Artigo 33 da Lei 11.343/06 (Lei do Tóxico), sob a acusação de tráfico de drogas.

Câncer de próstata é tema de palestra no próximo dia 30/11

Flávio Azevedo
O Hospital Regional Darcy Vargas (HRDV) recebe, no próximo dia 30/11, entre 15h e 17h, dentro das celebrações do Novembro Azul, campanha que pretende conscientizar as pessoas sobre a Saúde do Homem, com foco na prevenção ao câncer de próstata; uma palestra com o médico, Gwyer Borges Jr. O evento é realizado em parceria com a Clínica de Oncologia que funciona em prédio anexo ao HRDV.

Casal Garotinho são presos no Rio nessa quarta-feira

O ex-governador Garotinho sendo levado pela Polícia Federal, no Rio.
Poucas horas depois de celebrar a nova prisão dos deputados estaduais, Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi, todos do PMDB; e dizer que vem muito mais por aí, o ex-governador Anthony Garotinho (PR) também foi preso, na manhã dessa quarta-feira (22/11). O ex-governador havia acusado outros setores do poder estadual de corrupção, fez piada sobre os presos reunidos no presídio de Benfica; comentou que a “faxina” contra corruptos ainda não havia terminado; e disse que a sigla PMDB, agora, é “Partido do Movimento Democrático de Benfica”.
– É preciso que a população acorde, porque ainda não terminou a faxina. Faltam outros setores que foram altamente envolvidos com essa safadeza toda – disse Garotinho em suas redes sociais.

Parece que o governador, além de radialista, também é vidente, porque logo depois das declarações quem está no xilindró é ele, dessa vez, acompanhado da esposa Rosinha Matheus, que também governou o Rio. O casal Garotinho é acusado de integrar, junto com outras seis pessoas, de participar de uma organização criminosa para arrecadar recursos de forma ilícita com empresários e, assim, financiar as próprias campanhas eleitorais e a de aliados, inclusive mediante extorsão.

Segundo um agente da Polícia Federal, a prisão tem relação com a delação do Ricardo Saud, da JBS. Ao todo, foram expedidos 09 mandados de prisão e 10 de busca e apreensão pelo juiz eleitoral de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense. Segundo Ricardo Saud, ele fez os pagamentos para o PR em troca do apoio do partido à chapa Dilma-Temer, em 2014.

Dessa vez o ex-governador, Garotinho não está sozinho. A esposa, Rosinha Matheus também foi presa.
Segundo o empresário, o contato era feito com o senador Antônio Carlos e o repasse para a sigla foi de R$ 36 milhões entre doação oficial dissimulada, uso de notas fiscais frias e propina paga em espécie. De acordo com Saud, ele se encontrou com o senador ou com emissários 'não menos que 10 vezes' em locais marcados ou na própria sede da JBS, em São Paulo.

Segundo a Polícia Federal, durante as investigações, foram identificados elementos que apontam que uma grande empresa do ramo de processamento de carnes firmou contrato fraudulento com uma empresa sediada em Macaé para prestação de serviços na área de informática. Ainda segundo a PF, há suspeita que os serviços não eram prestados e que o contrato, de aproximadamente R$ 3 milhões, serviria apenas para o repasse irregular de valores para utilização nas campanhas eleitorais.

Outros empresários também informaram à PF que o ex-governador cobrava propina nas licitações da prefeitura de Campos, exigindo o pagamento para que os contratos fossem firmados. Após os procedimentos de praxe, os presos serão encaminhados ao sistema prisional do Estado onde permanecerão à disposição da Justiça.

Fonte: G1/O Dia

"Três Porquinhos" de volta para a cadeia no Rio de Janeiro

Flávio Azevedo
Os desembargadores do Tribunal Regional Federal do Rio de Janeiro (TRF-2) votaram nesta terça-feira (21) pela prisão dos deputados estaduais Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi – todos do PMDB. A Justiça Federal também determinou o afastamento deles da Assembleia Legislativa (Alerj).

Os três haviam sido presos na Operação Cadeia Velha, desdobramento da Lava Jato no Rio, mas foram soltos após votação na Alerj na sexta-feira (17), sem que houvesse notificação judicial. Ele são suspeitos de receber propina para defender interesses de empresários dentro da Alerj e de lavar o dinheiro usando empresas e compra e venda de gado.

Segundo o procurador Carlos Aguiar, do Ministério Público Federal (MPF), para deixarem a cadeia seria necessário uma decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ou no Supremo Tribunal Federal (STF). "Não cabe mais à Alerj se pronunciar sobre esse aspecto", explicou.

Relator do processo contra os três deputados do PMDB, o desembargador Abel Gomes afirmou que o alvará de soltura feito pela Alerj é "esdrúxulo". "Só pode soltar quem pode prender. Só pode expedir alvará de soltura quem expede mandado de prisão. Portanto, só poderia ser revogada [a prisão] por órgão judiciário", afirmou o relator, acrescentando que em caso de novo "obstáculo à corte", serpa pedida uma intervenção federal no Rio de Janeiro.

Prefeitura de Rio Bonito notifica CCR ViaLagos a retirar bloqueios da estrada Jacundá/Mineiros

Flávio Azevedo
A Prefeitura Municipal de Rio Bonito tomou coragem e notificou, nessa terça-feira (21/11), a concessionária CCR ViaLagos, concessionária que administra a RJ – 124, a retirar em 24h, o esdrúxulo bloqueio instalado na estrada que liga as localidades de Mineiros e Jacundá. A concessionária foi notificada, segundo o documento, às 16h. Nas fotos publicadas por funcionários da PMRB, já não vemos a presença da empresa de segurança privada que estava no local no último sábado (18/11) protegendo as estruturas de concreto erguidas em dois pontos da estrada. A nossa reportagem esteve por lá e registrou o acintoso bloqueio da antiga estrada vicinal.

A barreira construída pela concessionária está embasada num compromisso assinado, em 1999, pela ex-prefeita Solange Almeida, junto da concessionária, mediado pelo poder Judiciário. O indecente compromisso assumido pela ex-prefeita permitiu que a estrada ficasse fechada por cerca de 15 anos. Nesse período, o atual prefeito, José Luiz Mandiocão (PP), governou Rio Bonito entre 2005 e 2012 e, estranhamente, não corrigiu esse Ato debochado da ex-prefeita.

É claro que a notificação da Prefeitura não põe um ponto final na situação, mas pelo menos o município tomou a iniciativa de defender o seu território e sua soberania. Que o prefeito não incorra no erro insano e estranho da sua antecessora. Seguimos acompanhando!

O Sasquatch também recebeu propina no Rio

Flávio Azevedo
Na semana que os principais deputados estaduais da base do governo do Rio de Janeiro foram presos por comprovadas falcatruas; na semana que esses mesmos parlamentares foram soltos por 39 dos seus colegas de plenário; na semana que o Fantástico mostrou uma gravação encontrada pela Polícia Federal, em que o antigo presidente do Dentro, Rogério Onofre; exige propina de empresários do Transporte Público, sob o argumento de que ele não fiscalizou os ônibus que circulam no Rio de Janeiro; surge a delação premiada do funcionário do doleiro, Álvaro Novis. Ele afirma que pagou propina da ordem de R$ 5 milhões ao governador do Rio, Luiz Fernando Pezão.

Os pagamentos teriam sido feitos de 22 de julho de 2014 a 8 de maio de 2015, quando Pezão já era governador. A delação é de Edimar Moreira Dantas, que gerenciava uma conta criada só para o pagamento de propinas. O delator contou que o dinheiro vinha da Federação das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Rio (Fetranspor). Dantas revelou que José Carlos Lavouras, conselheiro da Fetranspor e empresário do setor, repassava mensalmente a programação de pagamentos. No caso de Pezão, a grana era entregue a uma pessoa de nome Luís.

Em sua defesa, o governador Luiz Fernando Pezão reafirmou que jamais tratou de pagamento ou recebimento de recursos ilícitos, e disse que não conhece e nunca esteve com Edimar Moreira Dantas. Todavia, o delator diz ter ficado surpreso com a participação de Pezão no esquema e afirmou ter descoberto que ele era o beneficiário, por causa do apelido atribuído a ele na planilha da propina: “Pé Grande”. O tal “Pé Grande” recebeu cinco pagamentos, que somam R$ 4 milhões e 850 mil. O dinheiro era entregue em vários endereços diferentes, às vezes, na rua, ele pagava R$ 350 mil.

Diante desse cenário percebe-se duas coisas: os políticos do Rio têm duas certezas: de que ficarão impunes e de que o povo é tapado. Se o “Pé Grande” que consta nas planilhas da Fetranspor não é o governador do Rio, os R$ 5 milhões mencionados devem então estar com o lendário “Sasquatch” ou “Pé Grande”, figura mítica que vive nas regiões selvagens e remotas dos Estados Unidos e Canadá.

Mas ao que tudo indica, o “Pé Grande” fluminense também tem a mão grande, o bolso fundo e uma família numerosa. Nos Estados Unidos e Canadá, ao longo dos anos inúmeras expedições foram montadas para capturar o “Sasquatch”. Esses aventureiros, porém, nunca alcançaram os seus objetivos. Já as constantes operações montadas pela Polícia Federal e Ministério Público, aqui no Brasil, sempre captura alguém.

Nos Estados Unidos e Canadá, quem viu o Pé Grande descreve a figura do Sasquatch como um primata muito alto, com o corpo coberto por pelos da cor marrom escuro. Dizem que o ser ter afeições de gorila e ser humano. Algumas dessas pessoas afirmam que a criatura exala um forte e desagradável odor.

Já o “Pé Grande” brasileiro é humano normal. Ele não curte trabalhar e pertence a uma numerosa família que conta com indivíduos do gênero masculino e feminino. A única característica que o Sasquatch descoberto pela Polícia Federal tem em comum com a criatura mítica da América do Norte é o odor. Entretanto, enquanto lá não é possível precisar o cheiro do Sasquatch; o odor das criaturas brasileiras é bem conhecido: eles fedem a "merda".

"Quinteto Maldito" do Rio de Janeiro

Flávio Azevedo
Os responsáveis, juntos dos políticos, pelo caos no transporte público do Rio.
Você é um daqueles que sofre com o Transporte Público no Rio de Janeiro? Você sempre achou estranho o preço das tarifas? Você está entre aqueles que vê com desconfiança o fato das empresas de ônibus serem "donas do pedaço" e agirem como querem nas cidades fluminenses?

Saiba que tudo aquilo que você imagina de pior é verdade! E acontece por conta desse quinteto de vagabundos que aparece nessa foto. O mais grave é que associados aos mafiosos da Alerj e aos cretinos que governam o estado, essa gente formou uma quadrilha institucionalizada para assaltar os cofres públicos e a população fluminense.

Enquanto pessoas morrem nos corredores dos hospitais; enquanto as nossas crianças não tem acesso a Educação de qualidade; enquanto servidores efetivos e inativos passam fome; enquanto estamos expostos a insegurança e a violência; esses ladrões enriquecem surrupiando milhões que deveriam ser destinados a qualidade de vida do nosso povo.

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Fluminense precisa lamber as feridas para fazer temporada competitiva em 2018

Flávio Azevedo
O artilheiro, Henrique Dourado; é um dos destaque do Fluminense na temporada 2017.
O Fluminense venceu a Ponte Preta na tarde dessa segunda-feira (20/11), jogando no Maracanã (2x0). A torcida tem criticado a diretoria do Fluminense e tem pegado muito no pé do treinador, Abel Braga. Se existe um grupo que não conta com minha simpatia é o tal do torcedor. Se existe um segmento que conta menos ainda com a minha simpatia é a imprensa esportiva, recheada de assessores de imprensa e profissionais ligados a grupos políticos dos clubes de futebol.

O torcedor, geralmente sem noção, normalmente não tem capacidade para analisar o Futebol sem permitir que a paixão fale mais alto. Ele, inclusive, esquece que num jogo de futebol não se pode ganhar todas. O mais chato é que essa postura comumente é estimulada pela tal imprensa, que precisa vender jornal e por isso inventa história. 

No caso do Fluminense, é claro que o time é irregular. Alterna bons jogos e pífias apresentações, mas isso não é culpa somente do treinador (que erra como qualquer ser humano). A equipe é composta por meninos, poucos jogadores têm cancha e o clube lidou ao longo do ano com muitos problemas médicos. Tudo isso, sobretudo a inexperiência fez do Fluminense ser uma equipe que cedeu muitos empates ou tomou várias viradas. A crítica esquece que isso é coisa de time novato e isso é natural em qualquer equipe em formação.

Correções precisam ser feitas, porque se a equipe tem o artilheiro do Brasileirão, Henrique Dourado; a zaga toma muitos gols. O torcedor, porém, precisa compreender que sem grana não é possível fazer melhor do que foi feito até aqui. Aliás, penso ser bom o torcedor se dar por satisfeito com a permanência da equipe na elite do Futebol Nacional. 

Vale gritar, pressionar a diretoria, mas “sem ovos não se faz omelete”. Se o dinheiro não aparecer, se a diretoria do clube não evoluir e se comando do clube não for mais arrojado na próxima temporada, o clube seguirá sofrendo novo sufoco em 2018. 

Ao atacante Henrique Dourado (foto), o meu agradecimento tricolor. O artilheiro não perdeu um pênalti no Brasileirão (ele nunca perdeu pênalti). Se Dourado tivesse perdido pelo menos duas cobranças, o que não seria nada de mais, o Fluminense não teria somado pontos suficientes para se manter na elite do Brasileirão.

domingo, 19 de novembro de 2017

ViaLagos bloqueia estrada usada para fugir do pedágio

Flávio Azevedo
Além dos obstáculos colocados na estrada, uma empresa de segurança privada foi contratada pela concessionária que administra a RJ - 124, para vigiar o local. 
Nas últimas semanas teve grande repercussão, os vídeos e reportagens sobre o grande volume de veículos que começou passar pela estrada que liga as localidades de Jacundá a Mineiros, no 2º Distrito de Rio Bonito. É que para fugir do pedágio da RJ – 124, conhecido como “o mais caro do Brasil”, motoristas estavam passando pela velha estrada geralmente usada apenas por fazendeiros e sitiantes da região. 

O caso ganhou as mídias sociais e repercussão ainda maior, quando alguém postou no Facebook e YouTube, uma espécie de tutorial ensinando como fugir do pedágio, entrando em Jacundá e saindo em Mineiros. A notícia de que o volume de carros fugindo da Praça de Pedágio estava gerando até congestionamento na acanhada estradinha do 2º Distrito, logo chegou ao conhecimento da concessionária. A reação foi imediata.

De posse de uma decisão Judicial de 1999, oferecida pela Justiça de Rio Bonito, uma equipe da CCR ViaLagos, amparada por proteção policial construiu uma barreira, exatamente onde no passado, já havia sido erguido outro bloqueio e por igual razão: impedir os motoristas de burlarem o pedágio. Curiosamente, o direito de ir e vir está garantido, porque as pessoas, motos, bicicletas e até animais de carga, podem passar. Só quem não passa são os carros. 
Para evitar que a barreira de concreto seja demolida, como já aconteceu em outras oportunidades, uma empresa de Segurança Privada foi contratada e vigia o local 24h. A instrução é não permitir que ninguém, mesmo que seja da Prefeitura Municipal, desmonte o bloqueio. Usuários do trecho, moradores e proprietários de terra da localidade, estão indignados. Enquanto a nossa reportagem esteve no local, ouve até bate boca entre alguns usuários e os seguranças. O proprietário rural, Italo Cláudio Wermelinger; conversou com a nossa reportagem.

O que muita gente não sabe é que o fechamento da estrada é um acordo entre a concessionária e Prefeitura de Rio Bonito. À época, 1999, foi acordado que moradores da região e usuários do trecho, por conta da natureza das suas atividades, receberiam o “By Pass” nome dado ao que, hoje, chamamos “Onda Livre”. O equipamento daria a essas pessoas, o benefício de passar livremente pelo pedágio. Inclusive, no documento assinado entre concessionária e Prefeitura de Rio Bonito, consta uma lista com os nomes de quem deveria passar livremente pela Praça do Pedágio.

Ao que tudo indica, essa é mais uma longa novela riobonitense daquelas que, apesar da pressão da opinião pública, ninguém se pronuncia, afinal, todos, iniciativa privada e representantes da coisa pública, em todas as suas esferas de poder, têm culpa no cartório: está nítido que decidiram conforme os seus interesses individuais e ignoraram o interesse coletivo e popular.
Documento assinado em 1999 pela Prefeita Solange Almeida aceitando fechar a estrada.